31.5.19

Léo Jardim a caminho do Lille.

O Lille parece estar na frente para a contratação de Léo Jardim, são alguns dos ecos da imprensa de hoje...
Alguns,  ainda falam também da saída de Nelson Monte para o Gijon da 2ª liga Espanhola. Será?

Jornal de VC não compreende a saida de Daniel

Foto: Jornal de Vila do Conde
O jornal de Vila do conde não encontra explicação para a saída de Daniel Ramos.
Já aqui escalpelizamos o assunto e mesmo no Reis do Ave  a opinião não foi unânime.
Hoje e depois de sabermos que o novo treinador do Rio Ave é Carlos Carvalhal, eu diria que à pergunta:
Gostaria de trocar Daniel Ramos por Carlos Carvalhal?
Penso que a resposta seria unânime: - Claro que sim!
Da minha parte eu explico porquê: O Daniel pode vir a ser um grande treinador, mas ainda não é, faltam-lhe essencialmente títulos...E certamente  não está ainda ao nível do  Carlos Carvalhal que já se pode considerar um grande treinador mediante os títulos e CV internacional, por isso esteve bem o Presidente, pois ao trocar-los mostrou bastante ambição.
Embora todos saibamos que "ser grande treinador" não garante resultados, sabemos também que nos podemos apróximar dos resultados com mais "velocidade" com este tipo de treinadores.
O futuro o dirá, mas a fasquia subiu muito em relação ao ano passado como aqui refere o JPM.


Carlos Carvalhal, o plantel e os objetivos

Carlos Carvalhal não vem para o Rio Ave para lutar pelos 8 primeiros.
Nas primeiras declarações que fez o míster não se comprometeu com classificações, mas não cabe na cabeça de ninguém que um treinador com o currículo dele venha para ficar na primeira metade da tabela (ou, lá está, nos 8 primeiros).
Carlos Carvalhal vem para o Rio Ave para somar prestígio (internacional) à sua carreira e isso só será conseguido se ficar nos 5 primeiros (o acesso europeu) ou chegar a uma final de uma das taças. Carvalhal só conseguirá que o Rio Ave seja marcante na sua carreira se conseguir o que não é fácil. Sexto? Não é mau, mas Daniel Ramos ficou em sétimo e saiu...
Dito isto, acredito que CC conhece o plantel que vai treinar e terá obtido garantias do Presidente de que serão contratados três ou quatro jogadores de qualidade para as posições em aberto.

CC hoje: "Vou tentar passar uma mensagem positiva, não ser intoxicado, falar e valorizar o futebol. Quero fazer parte da solução e dar o meu contributo para que o Rio Ave anime o campeonato. É a nossa expetativa».

PS - tanto quanto julgo saber, Carvalhal não tem qualquer relação com Jorge Mendes (apesar do que aconteceu quando treinou o Besiktas). O que não signfica que o 'parceiro do ano do Rio Ave' não possa colocar aqui um ou dois jogadores, se sobrar alguma vaga em Famalicão...😂😂😁

Época 2018/2019 - Balanço



Campeonato do Rio Ave FC:
O objectivo mínimo dos 8 primeiros foi conseguido.
O 5º lugar apontado por José Gomes foi falhado. Isso não torna a época totalmente falhada dadas as circunstâncias que vivemos ao longo da temporada.
Tirando os 4 da frente na segunda volta, melhor que nós só o Boavista.

Taças do Rio Ave FC:
Na taça de Portugal caímos em Alvalade: um resultado normal - azar no sorteio que nos vinha bafejando com melhor sorte nos últimos anos.

Na Taça da Liga no nosso grupo passou o Benfica. Também é normal.
Uma época normal tendo em conta a vertente da nossa realidade e de quem nos eliminou.


Liga portuguesa no geral:
Principais destaques positivos: Moreirense, Boavista e Santa Clara.
Decepções: Chaves, Marítimo, Braga (tinha plantel para estar mais próximo do SCP) e Vitória SC (tinha um treinador e plantel com jogadores para fazer mais de 60 pontos); e claro, a arbitragem - já era difícil entender algumas decisões em tempo real, mas com VAR não consigo mesmo perceber tantos erros.
Melhor jogador da Liga: Bruno Fernandes.

Rio Ave FC - destaques:
Melhor guarda-redes: Léo Jardim.
Melhor defesa: Rúben Semedo.
Melhor médio: Filipe Augusto.
Melhor extremo: Galeno
Melhor avançado: Vinicius. 
Melhor Treinador: Daniel Ramos.

Regresso do ano: Nuno Santos (pena ter sido tão tarde).
Revelação: Léo Jardim.
Melhor jogador:
1º Léo Jardim;
2º Galeno;
3º Vinicius.

Onze da temporada:
Guarda-redes: Léo. 

Lateral direito: Júnio
Centrais: Bore e Semedo
Lateral esquerdo: Coentrão.

Médios: Filipe Augusto, Tarantini  e Dala.

Extremos: Nuno Santos e Galeno. 
Ponta-de-lança: Vinicius.

"Declarações de voto":

Tenho necessidade de justificar Júnio no onze: apesar daquele início assustador e dos 24 jogos de Nadjack, não conseguiria pôr este num onze ideal e não era ético pôr uma defesa a 3 quando nunca foi utilizada;

Tenho necessidade de justificar Galeno como melhor extremo e como 2º melhor jogador do ano: apesar da ponta final de Nuno Santos, quando não havia mais ninguém houve muito Galeno e que nos deu pontos com golos, com assistências, com arranques que condicionam defesas contrárias, com arranques a queimar linhas quando não tivemos equipa capaz de o fazer. É o jogador do campeonato com mais ataques, apesar de não ter jogado praticamente nos últimos 7 jogos. Na primeira volta ficamos a dever muito a este jogador. Jogador que aparece também como um dos que mais faltas sofreu... assinaladas. Porque levou muito pancada não assinalada pelos árbitros.

Tenho necessidade de justificar Dala no onze e como médio: Para mim é um 10 e um 10 é um médio ofensivo, mas médio. Jogou o primeiro e o último terço do campeonato. Foi onde fizemos mais pontos. Quando não tivemos Dala não pontuamos. Essa influência não pode ser descartada. Custou-me preterir Diego, mas após ponderar bem optei por Dala.

Quanto às outras escolhas, como não tive dúvidas não sinto necessidade de as justificar.


PS: Dala foi votado pelos seguidores do Facebook do Rio Ave FC como o melhor da época. Todos percebemos o que ia acontecer. Não concordo, mas ainda bem. Mau demais era só haver um angolano e depararmo-nos com Buatu a Bola de Ouro do Rio Ave FC. Há sempre um lado positivo.

30.5.19

Dala Ganha mas...Fake News está no "ar"

Omitir é mentir? sim é, neste caso é no mínimo injusto!
A Rádio Linear anuncia que Dala foi escolhido como melhor jogador do Rio Ave FC para época 2018/2019, citando como fonte a página do clube. O problema é que esta votação foi feita na página do clube, mas no facebook onde a falange de apoio a Dala em Angola é assustadora. Nada contra o facto de os adeptos de Dala votarem, em parte todos percebemos como funcionam estas coisas das votações online nas redes sociais, como sabemos, nem sempre estas refletem o verdadeiro sentimento dos que de perto seguem o nosso clube. Parabéns ao vencedor, mas claro está, eu não concordo com esta votação, pois Dala esteve a maior parte da época lesionado, fez poucos golos, foi amplamente preterido com a chegada de Vinícius, e mesmo com a sua saída(Vinícius), Bruno Moreira sempre foi ganhando a posição a Dala. Dala não me convenceu como ponta de lança, é de baixa estatura, e nos jogadores jovens essa questão é muito importante, falta-lhe o jogo de costas para a baliza, e é fraco no jogo de cabeça. Talvez evolua para jogar a 8, acho que nesta posição consegue mais espaço, o que lhe permitirá jogar de frente para a baliza onde ele é muito melhor com o seu futebol de passe longo, e drible rápido... mas ainda não é jogador feito para jogar no nosso campeonato, tem que correr muito mais, e sem dúvida evoluir bastante em termos defensivos.  
Quanto a mim o vencedor desta época teria que ser Leo Jardim, e de seguida e apesar de ter saído na reabertura do mercado, Vinícius. Só não é Vinícius, porque me parece manifestamente injusto não referir o Leo como melhor, ele que fez praticamente todos os jogos da equipa, sempre com uma "bitola" muito elevada!
 

A primeira dor de cabeça para Carvalhal

Não me lembro do Rio Ave chegar a julho e ter uma equipa pronta a jogar! Ou seja, pela primeira vez em muitos anos a nossa equipa vai apresentar-se nos primeiros jogos com aquilo que lhe faltou na época passada.
Ainda assim, à partida e nesta fase, há alguns lugares por preencher:
- Um guarda-redes, se Léo sair, como parece óbvio;
- um ponta de lança
- um central
(a lista que hoje publicamos tem duas atualizações: Miguel Rodrigues não foi - ainda? - para o Moreirense e juntámos Strkalj, o jovem avançado croata que em janeiro assinou por 4 épocas e meia). São 27 jogadores e - acho que se pode dizer isso - a primeira dor de cabeça para Carvalhal.

29.5.19

Leandrinho

Leandrinho tem mais um ano de contrato com o Rio Ave. Haverá algum Riovista que peça a renovação?
Leandrinho fez 16 jogos esta época, somou mais de 1000 minutos. Foi aposta a titular em muitos jogos e não guardamos nada de especial na memória (é macio a defender, raramente aparece no ataque).
Acredito que está na hora de Leandrinho (que já está em Vila do Conde há 3 épocas) dar outro rumo à sua carreira.
Duma coisa não se pode queixar: de falta de oportunidades.
Se jogou na posição onde rende mais (foi sistematicamente usado a '6', sem ter perfil para isso, na minha opinião) é outra conversa.

28.5.19

Carlos Alves

Em 2014 Carlos Alves, com 17 anos, sentava-se no banco de suplentes da nossa equipa principal. Passaram quase cinco anos e a verdade é que, até agora, Carlos Alves não conseguiu confirmar as grandes expectativas que nele foram depositadas. 
Tem andado com a equipa principal mas como terceiro guarda-redes; resultado, deixou de ir à seleção. Este ano defendeu a baliza dos sub23 e até foi considerado o segundo melhor guarda-redes do campeonato.
Já sabemos que, à partida, não será uma aposta para a equipa principal (pelo que disse o Presidente na Tertúlia) continuando nos sub23 (tem apenas 21).
Talvez não lhe fizesse mal sair uma época emprestado, para uma equipa onde pudesse mostrar a sua evolução (houve vários jogos neste campeonato sub23 onde não precisou de fazer uma defesa difícil).

PS - em janeiro o Rio Ave contratou um guarda-redes brasileiro, chamado Vitor Luiz, que foi sempre o suplente de Carlos Alves. Vitor Luiz já tem 23 anos e não acredito que continue a ser hipótese para essa equipa. Foi embora ou continua (o contrato era até final da época com opção)?

27.5.19

Carvalhal: "grande ambição" e "vencer todos os jogos"

 Carlos Carvalhal não fala em objetivos de longo prazo mas diz que chega ao Clube com "grande ambição" para "tentar vencer todos os jogos".
O nosso novo míster promete, isso sim, "bom futebol", com "jogo de qualidade", de modo a que as pessoas tenham "prazer em ver o Rio Ave jogar".
Ainda mais uma ideia: "tentar que Rio Ave anime o campeonato"
("não contem comigo para andar a afalar de arbitragens")
(tudo o que disse aqui)


Carlos Carvalhal é o escolhido!


O Rio Ave postou no facebook um link de um vídeo de Carlos Carvalhal...
Carlos Carvalhal é o novo treinador do Rio Ave FC.
Creio que é sem dúvida uma aposta forte e de projeto...
Só lhe podemos desejar toda a sorte do mundo...

Um plantel grande

Começo por dizer que este é um exercício especulativo e que, por várias razões, não pode ser considerado rigoroso. Mas como escrevi a lista divulgada é de jogadores com contrato. ASC confirmou na tertúlia que são mais de 20.
Pelas minhas contas são 24 (já com Vitó e Costinha, mas sem Buatu e Miguel Rodrigues, que foi para o Moreirense - rescindiu?). Messias tem empréstimo até final da próxima época.
Haverá ainda quatro ou cinco reforços.
Mas alguns desta lista vão certamente sair
(já agora, que grande contraste com a época passada, em que eram 10 para o início dos trabalhos)

26.5.19

Reis do Ave faz o balanço da época: entre o positivo, o 'minimamente aceitável' e o negativo

Carlos Francisco:
O objetivo proposto pelo presidente no início da época foram os 8 primeiros. Apesar de achar que tinhamos o 6º melhor plantel da liga atrás dos 3 'grandes', Braga e Vitória e de, a certa altura, José Gomes ter dito que iríamos ficar em 5º lugar, creio que com todas as mudanças no inicio da época, com 3 treinadores ao longo da época, as lesões, os cartões vermelhos que saíam com facilidade para nós, várias alterações novamente do plantel em janeiro, o sétimo lugar com 45 pontos, não sendo brilhante, é minimamente aceitável.

Gil Ribeiro Silva:
O balanço da época é negativo.  A equipa demorou tempo a ser formada e já não foi a tempo de um bom arranque e logo aí ficou arredada da Liga Europa. Nas Taças a participação foi muito tímida, ainda que atenuada na Taça de Portugal pelo facto de termos sido eliminados por um dos finalistas.
Já no que toca à Liga, foi uma época frustrante. O Rio Ave era a 5ª melhor equipa da Liga, mas só conseguiu ser 7º. Encontram-se justificações no assombroso número de lesões, nas trocas de treinador durante a época e até nas arbitragens, mas não deixa de ter sido uma época que ficou aquém das expectativas.

Gualter Macedo: 
Foi tudo fácil demais no início do campeonato, e mesmo antes da saída de José Gomes, já se percebia alguma crise dada a ausência de jogadores importantes. A equipa não se livrou de um grande susto, e a 7 jornadas do fim ainda não tínhamos garantida a manutenção. Os 12 jogos sem vencer, assustaram, e contribuíram bastante para que Daniel Ramos não conseguisse o objetivo de colocar a equipa na Europa. A troca inesperada de treinador e a saída de Vinícius, creio que comprometeram em muito, o que poderíamos ter feito esta época. O falhanço no ataque ao 5º lugar, a saída prematura da Taça da liga e da Taça de Portugal, foram de facto os aspetos mais negativos da época.  Foi uma época realmente atípica, depois do susto, destaca-se no positivo o facto de terminarmos num honroso 7º Lugar, o que dignifica toda a gente, e os treinadores responsáveis por esta época. 

João Paulo Meneses:
Escrevi várias vezes que tinhamos o melhor plantel dos últimos anos (ou, vá lá, um dos dois melhores). Daqui a algum tempo se confirmará que foi o mais caro de sempre. Atentendo a isso, ficar em 7º e falhar muito cedo as taças [maior falha, a Liga Europa, perante um adversário fraco], não é positivo (mesmo tendo em conta tudo o que aconteceu, desde lesões a arbitragens). Ou então, foi positivo e estamos é mal habituados...

Vítor Carvalho:
A época 2018/2019 foi uma época agridoce. Começou-se em grande criando a ilusão que facilmente se atingiria o lugar europeu. Mas ... Há sempre um mas (que não obrigatório). Inexplicavelmente teve uma quebra ainda antes da mudança do treinador. (não sei, sinceramente, se o míster José Gomes não tem saído a seu pedido para Inglaterra, se não iríamos assistir a uma chicotada psicológica). A abertura do mercado de inverno levou-nos o ponta de lança que estava a ser uma verdadeira revelação quer no Rio Ave quer no futebol português e trouxe-nos jogadores com muita qualidade mas para setores onde se estava já bem servido. Acresce que o novo treinador teve de se adaptar à equipa e esta àquele, o que veio aumentar o período menos positivo de que a equipa já se vinha ressentindo. (Havia, erradamente, quem já só se preocupava com a zona de descida). Contudo a parte final do campeonato foi em crescendo. No global a prestação foi positiva, havendo um período de alguma frustração , mas que não mancha a época no seu todo. De realçar, também pela positiva, o apoio de um grupo de associados (cerca de 50) que acompanharam a equipa nos jogos fora. A alma que colocavam no apoio, refletia-se nos jogadores, permitindo-nos trazer vitórias na qualidade de visitantes. Negativamente continua a saga dos lugares marcados. A confusão continua a ser grande, se não mais do que no passado em que não havia lugares marcados, nos jogos contra as equipas que trazem um grande número de apoiantes
(três que partem? foto: Rio Ave FC)


25.5.19

Novo memorial no antigo campo da Avenida substitui anterior

Via site ficamos a saber que foi ontem inaugurado o novo memorial que presta homenagem ao local onde se situava o saudoso Estádio d’Avenida (houve mesmo inauguração?):

Em 2012 tinha lá sido colocado este (entretanto degradado pelo tempo, foi por essa razão que veio um novo?)

24.5.19

Rio Ave dispensa Buatu (e ainda se fala da lista de 23 jogadores)

É o próprio Buatu que o diz: "J'ai paraphé un contrat de quatre ans quand je suis arrivé ici. Il me reste trois ans de contrat, mais le club ne compte plus sur moi. ["Eu assinei um contrato de quatro anos quando cheguei ao Rio Ave, tenho mais três anos restantes, mas o clube não  conta mais comigo."]
Fica sem se saber se houve rescisão (com pagamento de indeminização) ou se o atleta foi convidado a encontrar clube.

É, portanto, menos um na lista de 23 que aqui avançámos no início da semana.
(Acredito que haverá mais dispensas)
Uma lista de onde sai Buatu mas onde se confirma Monte: assinou já este ano por mais 4 épocas.

23.5.19

Reis do Ave em maioria contra saída de Daniel Ramos

Carlos Francisco:
Por mim ficava. Fez tantos pontos ou mais na segunda volta como os que por cá passaram com sucesso.  Começou mal, mas quando teve opções e com o tempo de trabalho com a equipa mostrou bons resultados e bom futebol contra adversários superiores e/ou diretos. Depois de ultrapassar uma fase má, ao não ser excluído nessa altura, dificilmente se entende tê-lo sido agora, porque difícil não é chegar de novo e mostrar pontos nos primeiros 2 ou 3 jogos; dificil é estar lá em baixo, piorar e com a força do trabalho e da mensagem ter liderança para dirigir e reerguer um grupo e orientá-lo para que fosse possível sustentadamente sair do fundo do poço.

Gil Ribeiro Silva:
Daniel Ramos não mostrou nos momentos mais complicados da época mão de feiticeiro para fazer um brilharete. Daniel chegou a meio da época, não participou nas escolhas do plantel no início do plantel, não tem culpa das lesões e quando voltou a ter toda a gente disponível arrancou para uma série de boas prestações e resultados. No entanto, fica a ideia que qualquer outro técnico também faria a equipa melhorar recebendo tamanha injecção de qualidade. Merecia o benefício da dúvida? Defendi a certo momento da época que não era o homem certo no lugar certo, mas acho que lhe devia ser dada oportunidade face ao bom final de época que nos proporcionou.

Gualter Macedo:
Mesmo sabendo hoje que Daniel Ramos não vai continuar no Rio Ave, talvez fique com a sensação de que este podia ter tido outra sorte. A ausência de jogadores importantes ora por lesão, ora por castigo, aquando da sua chegada, talvez tenha contribuído para essa falta de sorte. Mas acho também que Daniel demorou muito tempo a perceber como podia extrair o melhor dos jogadores disponíveis e a colocar esta equipa essencialmente a ganhar. Essa indefinição prolongada, principalmente no sistema de jogo (tivemos jogos muito maus, que também devem ter assustado o próprio), retiraram a Daniel alguma capacidade negocial no que toca à sua continuidade, bem como à perda de algum crédito para com a massa associativa (os tais 6 meses de ausência de vitórias em casa). Eu entendo a sua saída (em Vila do Conde os santos da casa nunca fizeram milagres), e também concordo com ela. Assim ninguém sai chamuscado, ele saiu de Chaves e o Chaves desceu, mas ao mesmo tempo colocou o Rio Ave no 7º lugar, que, não sendo o pretendido, é talvez o melhor que ele pode fazer dadas as circunstâncias. Mas também fico com a sensação de que tudo poderia ser diferente para melhor, caso a nova época fosse totalmente preparada pelo Daniel. Boa sorte Daniel, um dia talvez regresses e poderás confirmar o que digo…No futebol tudo é possível.

João Paulo Meneses:
Penso que DR demorou demasiado tempo a acertar no onze (havia lesionados, mas não justifica tudo), a tirar o melhor rendimento dos jogadores e a mostrar um futebol com qualidade (que se viu contra FC Porto e Benfica). E - principalmente - achei que foi bastante conservador ao longo da época (joga muito pelo seguro e, de uma forma geral, é mais defensivo do que aquilo que eu gostaria). Se a Direção decidisse renovar com Daniel Ramos, seria o meu treinador Mas em coerência com o que escrevi a seguir ao jogo com o Aves (agravado em Alvalade) entendo como correto procurar alguém com outro perfil.

Vítor Carvalho:
"O míster Daniel Ramos assumiu o cargo de treinador do Rio Ave FC com a missão de levar a equipa à Liga Europa. Entrou num momento em que a equipa já estava a passar um período menos positivo. Também viu a equipa ficar desfalcada do ponta de lança até aí titular indiscutível. A equipa passou por momentos de muitas dificuldades, mas acabou por conseguir atingir bons resultados e termina a época em excelente forma, intrometendo-se claramente, na definição do título de campeão da presente época. Entendo que, dadas as circunstâncias, o Daniel Ramos fez um bom trabalho e a sua continuidade para a próxima época devia ter sido assegurada."



Daniel Ramos não fica. É oficial. (ATUAL,)

Avança A Bola de hoje: "A ligação entre as partes não vai estender-se pela próxima época, depois de iniciada em janeiro, quando o treinador natural de Vila do Conde foi o eleito para suceder no cargo a José Gomes, entretanto transferido para o Reading (Inglaterra)."
(foto: Rio Ave FC, a partir desta imagem)


(pelo que se percebe, Daniel Ramos queria continuar: "Estou de corpo e alma no clube do meu coração"

É oficial

Atualizado a 24/5, a partir das informações recolhidas por 'Eurico Seabra' nos jornais de hoje: Record- Ivo Vieira e Pepa entram na linha de sucessão, dentro de um leque de candidatos de relevo que irá ser escrutinado através de uma reflexão. O fumo branco vai surgir na próxima semana, mas o presidente pretende fazer uma escolha ponderada e o processo não vai ser acelerado. De resto, sendo o Rio Ave um emblema apetecível está a dar-se o fenómeno de serem os próprios técnicos a sentirem-se atraídos por esse projeto. O Jogo- Ivo Vieira, Pepa e Jorge Simão são candidatos ao lugar. Jornal de Notícias- Jorge Simão e Pepa na lista de sucessores. Os responsáveis já estão à procura de um sucessor, havendo numa primeira fase dois nomes bem posicionados: Jorge Simão e Pepa. A decisão ainda não será tomada esta semana, até porque os responsáveis estão a recolher outros perfis, nomeadamente o de Ivo Vieira. Também existe a possibilidade de se apostar num técnico com menor experiência, mas com potencial, tal como aconteceu com NES ou Miguel Cardoso, ambos recomendados pelo empresário Jorge Mendes.

Ainda as obras - uma crítica

Estou desiludido, mas não critico o Presidente pelos problemas que impediram a cobertura da bancada poente de avançar. Sobretudo não critico porque nada sei de engenharia e porque dou o benefício da dúvida ao Presidente (muito mais numa área que ele conhece bem). Esta não será a primeira nem última obra, em Portugal e no mundo, a sofrer contratempos técnicos.
O que critico é o que considero ser um problema recorrente do nosso Clube: o desrespeito pelos sócios. No momento em que se percebeu que a promessa do Presidente não seria possível de concretizar, o Rio Ave deveria ter feito um comunicado a informar e a explicar aos sócios, em primeira mão, o que se passou.
É que ainda por cima está em causa a palavra do Presidente, na última Assembleia Geral.
Uma situação destas não beneficia ninguém, até porque os meses foram passando e os Rioavistas foram percebendo que nada avançava.
Por estas e por outras é que digo - e repito - que o nosso Clube comunica quase sempre bem mas informa quase sempre mal.

22.5.19

Para memória futura

Record
JN
A Bola
O Jogo
DN (via Lusa)
(terras do ave 29052019)
(Vilacondense)


(no site do Rio Ave FC nem uma referência, à semelhança do que aconteceu pelo menos no ano passado)

21.5.19

Obrigado Praça Velha!


10 anos de Tertúlia, 10 anos de Praça Velha! Obrigado Paula e Jorge Carvalho!


10ª Tertúlia Rioavista - Futsal

- o presidente garante que o futsal continua no Rio Ave e já está a ser preparada a nova época;

- o plantel deste ano foi formado cedo, mas infelizmente as coisas não correram bem. O treinador saiu do clube, mas mesmo com novo timoneiro e reforços a equipa não se encontrou.

- mesmo descendo de divisão, o clube não atira a toalha ao chão e está a formar equipa para regressar à 1ª divisão, de apesar de reconhecer que é difícil esse objectivo.

- Lincoln vai continuar no clube, é o capitão e um jogador muito importante que apesar de ter convites para sair, preferiu continuar por Vila do Conde.


10ª Tertúlia Rioavista - Associação de adeptos

João Borges, colega do Rioavistas e aqui em representação da Associação de Adeptos da qual é presidente:

- Havia dois grupos não legalizados, antes da criação da Associação;

- a Associação nasceu com um grupo pequeno de pessoas que acusaram algum esforço e foi preciso encontrar mais gente para ajudar de forma comprometida;

- a Associação pretende ainda crescer mais e mobilizar cada vez mais os rioavistas;

- a Associação ainda tem poucos meios para a sua actividade. A Direcção tem ajudado a Associação, as relações são muito boas e agora que acabou a época há planos para se reunirem e debaterem uma série de assuntos;

- A Associação quer promover cada vez mais o sentimento de ser rioavistas e o nome do clube. É objectivo promover o lado positivo do futebol.

- a equipa de futsal foi humilde na forma como acolheu o apoio da Associação;

10ª Tertúlia Rioavista - Obras (e outras questões)



ASC:
- as obras só começarão na academia quando os campeonatos terminarem, antes não é possível;

- no que toca à bancada do estádio, a obra foi adjudicada a uma empresa espanhola. O Rio Ave consultou o Instituto Superior de Engenharia para lhe dar parecer sobre a obra e este Instituto descobriu alguns problemas técnicos  que colocam em causa a segurança da bancada. Isto atrasa o início da obra, que não estará em caso algum pronta no início de 2019/2020;

- o presidente tem atitude prudente quanto a adiantar datas para o avançar e concretização da obra, mas espera que seja rápido.

- as obras da sede vão começar muito em breve.

10ª Tertúlia Rioavista - Sub23

Pedro Cunha e Costinha
- o presidente afirma que Costinha e Vitó vão ser reforços da equipa principal em 2019\2020.
- ASC é muito elogioso do trabalho que Pedro Cunha tem desenvolvido e espera no futuro tirar cada vez mais proveito do trabalho de grande qualidade que está a ser feito.
- para o presidente a boa época da equipa de SUB23 não foi surpresa, fruto precisamente do grande trabalho de Pedro Cunha;

Pedro Cunha:
- dos 20 jogadores convocados para a final da Taça de Sub23, 15 foram formados no clube;
- mesmo com saídas da equipa de Sub23 para a equipa principal, a ideia de jogo e os princípios vão manter-se;
- há um fio condutor no trabalho que se faz: o treinador abdicou de pedir ao presidente e ao treinador da equipa principal para lhe cederem jogadores para poder ser campeão e ganhar a Taça. Pedro Cunha quis valorizar  quem trabalhou para chegar perto dos títulos, quem esteve na equipa desde a primeira hora;
- no início da época Pedro Cunha transmitiu aos jogadores que iam lutar por ser campões da competição.
- jogar com equipas de maior valor vai dar aos jovens atletas uma rodagem muito importante para o seu futuro;
- a equipa teve alguns contratempos com lesões e soube sempre manter competências e qualidade de jogo;
- o treinador acredita muito no que faz e valoriza muito o factor humano;
- em 2019/2020, com o fim da equipa B, a equipa de SUB23 vai trabalhar mais vezes com a equipa principal;

Pedro Cunha tem como objectivo ser profissional de futebol, gostava de chegar a treinador principal de uma equipa profissional. Já teve contactos, mas ainda não saiu. Falta ainda ao treinador o nível mais alto do curso de treinadores.

- a equipa B foi um processo que se esvaziou com a criação com o campeonato de Sub23, até porque o nível da competição onde competiam os B não correspondia ao que o Rio Ave pretendia.

- A equipa de Sub23 vai ser reforçada com alguns jogadores da equipa B e Sub19.

Costinha:
- sente-se preparado para jogar na equipa principal, não só porque fez uma excelente época no Rio Ave como também por ser chamado às selecções nacionais;
- a articulação com a equipa principal não é estanque e o atleta, sendo importante, o atleta competirá na equipa Sub23;
- Costinha quer vingar no Rio Ave e projectar-se também nas selecções;
- Costinha tem ouvido atentamente os conselhos de Tarantini e continua a estudar acautelando o futuro.

10ª Tertúlia Rioavista - Gaspar, o primeiro Rei do Ave

Connosco, o primeiro Rei do Ave, Gaspar, um prazer 10 anos depois.


- o Rio Ave foi muito marcante na carreira, foram 5 anos com as cores do clube, onde foi capitão;
- segue o clube de perto e joga nos veteranos;
- as aplicações de futebol que tem no telemóvel têm todos os alertas para os jogos do Rio Ave;
- Gaspar recordou que o Rio Ave foi uma paixão que começou logo nos juniores, mas que não foi possível na altura assinar contrato com o clube;
- Gaspar mesmo já não estando no clube sente que o crescimento do Rio Ave continua e sente-se muito contente com isso.
- profissionalmente Gaspar está agora ligado a outra paixão, a metalomecânica e perspectiva continuar ligado a essa profissão que o faz sentir-se realizado.

10ª Tertúlia Rioavista - A próxima época

- António Silva Campos: a questão do treinador não está resolvida para 2019/2020. Amanhã há reunião com Daniel Ramos e só aí se tomarão decisões. O presidente não quis adiantar mais detalhes sobre o assunto.

- temos mais de 20 atletas com contrato para a próxima época. Vão sair alguns jogadores, mas o Rio Ave está atento ao que se passa no mercado com o seu departamento de scouting;

- o Rio Ave só recorrerá a emprestados quando não tiver recursos financeiros;

- o Rio Ave é um clube vendedor e as vendas de activos são muito importantes, permitem manter o equilíbrio financeiro; aparecendo boas propostas, seguramente sairão atletas;

- O Leo Jardim já é jogador do Rio Ave, tem contrato por 4 anos, foi accionada a clausula de compra. Mas não somos detentores da totalidade do passe do atleta;

10ª Tertúlia Rioavista - Balanço desta época


- José Gomes saiu porque a sua saída era uma grande oportunidade para ele entrar no mercado inglês. O Rio Ave foi devidamente compensado financeiramente; havia um entendimento no seu contrato para o deixar sair caso surgisse uma boa oportunidade;

- a época foi atípica: novo treinador, muitos jogadores novos, foi um ano de viragem de um ciclo para outro. O clube acreditou na competência dos novos atletas;

- a época deixou um sabor amargo, porque há o sentimento de que se podia ter chegado mais longe;

- o grande número de lesões condicionou muito a temporada, levando mesmo a ter de se reforçar a equipa. O período de maior incidência de lesões foi terrível;

- Vinícius foi muito eficaz e deixou muitas saudades; é difícil ir ao mercado e concorrer com clubes com outros recursos quando pensamos em contratar determinado tipo de atletas, nomeadamente avançados. O Rio Ave não tinha como evitar a saída de Vinícius. O atleta veio emprestado por intermédio de Jorge Mendes, mas havia condicionantes, nomeadamente o mercado de Janeiro. O jogador recebeu uma proposta muito vantajosa e pediu para sair. A motivação do jogador não é igual depois de receber ofertas de tal calibre.

- nem todos os jogadores que chegaram esta época foram apostas certas, mas isso acontece em todo o lado;

- o Rio Ave deixou de ter Director Geral que tinha alçada desportiva e jurídica. A saída de Miguel Ribeiro obrigou o clube a criar um cargo jurídico e um de Director Desportivo, cargo ocupado por André Vilas Boas. A experiência correu bem.

- quando estivemos muito tempo sem ganhar, sentiu-se uma grande frustração. As pessoas que trabalham no clube passaram um momento difícil, sentiu-se que se questionava a qualidade do trabalho dos profissionais e de quem serve o Rio Ave;
- em certo momento, os próprios atletas duvidaram das suas qualidades. Foi feito um importante esforço junto dos atletas para se mudar o ambiente no balneário. 

- Tarantini continua a ser um grande profissional e um grande líder.

- As arbitragens da época:
   - há um trabalho que se faz sobre isso no Rio Ave e que não precisa de ser publicitado em jornais e tv's.  Quando nos sentimos prejudicados, o presidente dirigiu-se pessoalmente o Conselho de Arbitragem. Alguns árbitros foram penalizados na sequência disso.
   - o Rio Ave é respeitado pelas arbitragens e é nos locais certos que se faz ouvir.
   - fomos penalizados algumas vezes pelo mau uso do VAR, realçando dois jogos, sobretudo Braga fora e Benfica em casa;
   - o VAR tem de ser usado com o mesmo peso e a mesma medida, tanto para clubes grandes como para clubes pequenos. De momento, tem sido em favor dos grandes.

- a questão dos bilhetes nos jogos em casa contra os clubes grades:
   - o Rio Ave não pode deixar de vender bilhetes, não vai fechar bilheteiras para esses jogos;
   - a receita dos bilhetes é importante, o clube precisa sempre dessas receitas, pequenas ou grandes;

- quem organiza os jogos é que é responsável pela segurança. Tudo o que aconteça é da sua responsabilidade. Os materiais pirotécnicos são proibidos, mas há muitas maneiras de dissimular esses artefactos e a polícia é muitas vezes ludibriada.



20.5.19

23 jogadores com contrato? (Atualizadox3)

Juntei as informações que fui publicando em 2017/18 com as de 2018/19 e cheguei a esta lista (que é baseada naquilo que vem a público, seja divulgado pelo Clube seja pela comunicação social).
Obviamente que não posso garantir que esteja cem por cento correta (90%?), mas, mesmo com esta ressalva, fica claro que, pela primeira vez em muitos anos, temos basicamente duas equipas prontas a começar a época.
Pelas minhas contas são 23 jogadores.
Na época passada eram 10...
Destes 23 haverá algumas vendas (Léo ? Nuno Santos?), alguns empréstimos e até algumas rescisões. E a entrada de alguns jogadores (Vitó? Costinha?).
Em alguns casos, tratando-se de empréstimos (como Messias ou Murilo), fica a dúvida sobre o que acontecerá [Atualizo: Messias tem mais uma época de empréstimo, com opção]. Não inclui Junió, porque o empréstimo acabou, mas, lá está, posso estar enganado.
E por aquilo que percebo há apenas um jogador em final de contrato, Monte. Atualização: Monte assinou em Março por mais 4 anos
Atualização a 26/5: Buatu e Miguel Rodrigues [MR não é confirmado] (rescisões?) vão sair.

Amanhã na tertúlia talvez o Presidente nos possa esclarecer estas questões.

Filipe Augusto (mais 2 épocas)
Carlos (mais 2 épocas)
Messias (mais uma época de empréstimo; com opção)
Said (mais 3 épocas)


Tarantini (mais 1 época)
Diego Lopes (mais 4 épocas)
Nuno Santos (mais 3 épocas)
Gabrielzinho (mais 3 épocas)
Nelson Monte (mais 4 épocas)
Nadjack (mais 2 épocas)
Leandrinho (mais 1 época)

Bruno Moreira (mais 2 épocas)
Miguel Rodrigues (mais 3 épocas; vai para o Moreirense; rescindiu?)
Toni Borevkovic (mais 4 épocas
Murilo Freitas (empréstimo; mais 2 épocas?)
Afonso Figueiredo (mais 1 época)
Buatu (mais 3 épocas; rescisão ou dispensa?)
Ronan (mais 1 época)
Matheus Reis (mais 2 épocas)
Leo Jardim, gr (era empréstimo; assinou?)
Nikola Jambor (mais 3 épocas)
Damien Furtado (?)
Joca (mais 2 épocas)
Paulo Vitor (mais 2 épocas)

19.5.19

(Ainda não foi desta) Aproveitar os jovens da formação

Começo desde já por dizer que nada me garante que, vindo outro treinador, a situação mude. O problema não é de Daniel Ramos mas sim da generalidade dos treinadores.
A situação só se agravou com Daniel Ramos porque tivemos uma equipa sub23 a jogar muito futebol, com vários elementos em grande evidência.
Daniel Ramos comportou-se como a generalidade dos treinadores que passaram por Vila do Conde nos últimos anos: seja porque têm mais confiança nos jovens seja porque querem agradar ao balneário, raramente dão oportunidades aos jovens da formação.
Atenção: não é problema não é a idade, como este ano se viu, com vários jovens (de fora) no plantel principal, é mesmo serem da nossa formação ou de Vila do Conde!
Quando se estava a ver que Nadjack não estava em forma, Costinha não teria merecido uma oportunidade?
Daniel Ramos preferiu lançar Murilo a médio do que apostar em Vitó.
Rafa, quando estava num grande pico (a marcar grandes golos), nunca foi chamado a contribuir.
(e se não falo em Tiago André, é porque, com 3 defesas-esquerdos no plantel, Tiago nunca teria hipóteses)
Antes não se apostava nos jovens por falta de experiência; este ano tivemos vários jovens no onze;
Depois não se apostava nos jovens porque não havia equipa B (ou sub23); este ano tivemos a melhor do campeonato;
Resta concluir que não se aposta por serem a formação do Rio Ave (estou a ser apenas um pouco irónico e a lembrar-me como Furtado teve várias oportunidades no início da época, sem nunca ter mostrado que era melhor do que os já cá estavam [a crítica não é para Furtado mas para quem decide]).
Termino como comecei: nada me garante que o próximo treinador, qualquer que ele seja, faça diferente; mas não me venham com a história de um treinador de Vila do Conde e do Rio Ave. Gama e Daniel Ramos foram iguaizinhos a José Gomes, Miguel Cardoso ou essa grande desilusão (neste capítulo) chamada Luís Castro.

18.5.19

25 pontos 2ª volta - Ninguém melhor que Ramos


Parabéns ao Nuno Pinto. Continua a batalhar contra as dificuldade naquilo é de facto o que realmente importa: a VIDA.
O Vitória FC homenageou. O Rio Ave FC e muito bem colaborou, assim como a equipa de arbitragem pelo que todos merecem uma palavra de apreço pelo gesto. Adeptos dos 2 lados muito bem também.

Parabéns ao Rio Ave FC pela vitória.
Um jogo em que fomos superiores e em que já tarde chegamos à vantagem. Foi justa.
Uma exibição na linha do que vem acontecendo nos últimos 6 ou 7 jogos.
Consistentes e concentrados. Plano definido. Trabalho defensivo eficaz e criatividade assente em ideias ofensivas claras.

Quer se goste ou não, Daniel Ramos tem uma segunda volta ao nível do que tem sido aquilo que se tem feito neste clube.
Sugeri o seu nome quando ficamos sem José Gomes.
Critiquei muito mais os jogadores pela visível falta de empenho a determinado momento que o treinador.
O único momento em que pus a hipótese de Daniel Ramos sair foi após o jogo com o Sporting em que digo que alguma coisa tinha de ser feita. Ou se arrumavam jogadores, ou treinador ou as duas coisas.
Arrumaram-se alguns jogadores. Hoje percebe-se que bem. E acima de tudo percebe-se que alguns deles seriam o principal problema.

Daniel Ramos faz 25 pontos na 2ª volta.
Com uma equipa que além de ter jogadores novos que haviam chegado no início da época, mudou também peças em Janeiro. Aliás em termos de plantel terá sido do mais inconstante desde que ASC chegou com saídas e entradas no início e a meio da época.
Utilizamos 33 jogadores. É muita coisa. Muita instabilidade.

Fechamos com 45 pontos. Mau? Eu queria mais claro. Mas não difere muito do que se faz nesta casa habitualmente:
18/19: 45 pt = 20 + 25
17/18: 51 pt = 27 + 24
16/17: 49 pt = 24 + 25
15/16: 50 pt = 25 + 25
14/15: 43 pt = 24 + 19

Nos últimos 5 anos só Miguel Cardoso fez numa volta mais que Daniel Ramos. Foi na primeira volta do ano passado em que fez 27.
Ninguém fez uma segunda volta melhor que a de Daniel Ramos.
Daniel Ramos não teve o pior plantel destes anos. Também não teve o melhor.

Por mim tem tudo para ficar. Espero bem que fique não porque é vilacondense. Porque tem números e qualidade que justificam a renovação.

17.5.19

Comemorar os 81 anos de outra forma

Pode ser só impressão minha, mas as comemorações dos aniversários do nosso Clube estão cada mais fechadas aos sócios e longe da população em geral.
Com os 80 anos fechámos um ciclo, é tempo de ser criativo e pensar noutro tipo de abordagem que abra o Clube à comunidade (na linha da caminhada).
Temos jantares para atletas e ex-atletas, dirigentes e ex-dirigentes, galas para dirigentes, atletas e convidados e nisto tudo onde entram os sócios?
Mas mais do que os sócios, que se podem inscrever no jantar, o aniversário tem de ser uma ocasião para abrir o Clube aos Vilacondenses. Tem ser um momento de alegria, de dinamização, de envolvimento.
E, nesse capítulo, mantenho a minha crítica de há muito: foi o Clube que se fechou aos Vilacondenses, mais do que os Vilacodenses que se desligaram do Clube.
(jornal Vilacondense desta semana)

16.5.19

Agora, sim, é o momento de falar do treinador da próxima época (ATUAL.)

Se tivermos em conta que nos 12 primeiros jogos, Daniel Ramos conseguiu apenas 3 vitórias, a ponta final surpreendeu (nos últimos cinco, três vitórias, um empate e uma derrota, com o Benfica).
Faço, contudo, um balanço negativo da época (classificação e taças), sendo que a culpa não é apenas do atual treinador.
A seguir ao jogo com o Aves escrevi que o Rio Ave deveria procurar um novo treinador.
Ainda bem que me enganei (o seu hipotético substituto dificilmente faria melhor).
Mas não mudo de opinião global sobre o treinador.
Sempre escrevi que a equipa tinha qualidade (com Vinicius era ainda mais evidente) e que tinha de produzir mais e melhor. Esta ponta final foi apenas a prova disso.
Penso que DR demorou demasiado tempo a acertar no onze (havia lesionados, mas não justifica tudo), a tirar o melhor rendimento dos jogadores e a mostrar um futebol com qualidade (que se viu contra FC Porto e Benfica).
E - principalmente - achei que foi bastante conservador ao longo da época (joga muito pelo seguro e, de uma forma geral, é mais defensivo do que aquilo que eu gostaria).
Se a Direção decidir renovar com Daniel Ramos, será o meu treinador e tentarei ter sempre uma palavra positiva ou de crítica construtiva.
Mas em coerência penso que deveriamos procurar alguém com outro perfil.
(foto: Rio Ave FC)

PS - nada disto tem a ver com ser ou não de Vila do Conde. Para mim no Rio Ave ninguém pode ser prejudicado por ser de Vila do Conde. Havendo dois com as mesmas características, o de Vila do Conde está sempre primeiro.

ATUAL a 17/5: "Estou de corpo e alma no clube do meu coração e cumpri um sonho ao treinar o Rio Ave. O trabalho foi positivo e continuarei se houver condições para isso", partilhou Daniel Ramos.

15.5.19

Fábio Coentrão deixa o Rio Ave

Pessoalmente, esperava que fizesse mais uma época em Vila do Conde.
Mas compreendo a decisão, caso se confirme: foi bastante contestado por uma parte dos nossos adeptos e teve uma época marcada por alguns casos (que em alguns casos pouco ou nada tinham a ver com o Rio Ave).
Na memória guardo a qualidade dos seus passes e a garra com que entrava em campo, mesmo quando as forças já escasseavam no final.

14.5.19

10ª Tertúlia Rioavista

É já na próxima terça-feira, dia 21, que teremos a 10ª Tertúlia Rioavista (a partir das 21 horas no Restaurante Praça Velha).
Depois de uma época atribulada, como já não nos lembrávamos, o ponto alto será naturalmente a possibilidade de confrontar o Presidente do Rio Ave FC com os vários temas que estão na agenda Rioavista: a época que terminou, a nova época, as obras, o futsal, etc.
Falaremos também dos sub23 (com convidados), teremos oportunidade de conhecer melhor a Associação de Adeptos e vamos lembrar o 1º Rei do Ave, Gaspar, dez anos depois.
Prometemos fazer o acompanhamento em tempo real no blogue e o nosso Facebook.

PS - não estando ainda definida a situação do treinador, não (ainda?) fizemos convite.

Meus amigos, eu gosto é de futebol

E por isso só vou falar de futebol.

Estas poucas palavras vão ser um exercício teórico falando sobre o jogo de domingo passado.
Então nesse domingo passado assistiu-se a um jogo de futebol entre duas equipas de planetas diferentes, uma do planeta verde e outra do planeta vermelho. Celebrava-se a união entre povos distintos e o árbitro era do planeta amarelo. Nas bancadas não havia ninguém.

Foi um jogo interessante. Não foi muito bem jogado, mas ainda que a equipa vermelha tenha estado sempre em vantagem, a equipa verde deu boa réplica e manteve o resultado final em aberto até ao fim. O árbitro cometeu erros e a equipa vermelha até foi beneficiada. No entanto, isso não conta para nada, não interessa, porque era apenas um jogo amigável. O árbitro não errou com um propósito de beneficiar ou prejudicar verdes ou vermelhos, apenas errou porque os seres do planeta amarelo erram, como nós humanos erramos. Toda a gente sabe que o árbitro errou e toda a gente o admite.
Eu, pelo espectáculo, não me sinto de todo defraudado. O futebol é um excelente entretenimento. Fim de exercício teórico.

Domingo foi parecido com isto. Menos o público nas bancadas, menos o jogo ser a feijões, menos o erro que toda a gente admite. Como é sabido o nosso país não é de gente séria quando toca a política e futebol. Aliás, eu, se fosse presidente do Benfica, fazia um partido político. Com tanta unanimidade e seguidismo ganhava sempre as eleições. Bastava prometer que o clube ganhava todas as competições de todas as modalidades em que participasse. Só isso. Até o actual primeiro ministro se desfiliava do seu partido e se candidatava a líder do Benfica. Já viram que bom era para ele não ter de levar com os outros partidos da geringonça? E por falar em geringonça, por que é que os clubes mais pequenos não aprendem com a política e se geringonçam?

Bem, na verdade eu tinha dito que só ia falar de futebol, mal toquei no assunto e pus-me a falar de outras coisas. Também não sou sério. Prisão comigo!

A Palhaçada dos Bilhetes, a burrice e a falta de DIGNIDADE


Antes do jogo com o Porto escrevi que para os jogos com os grandes só venderia aos adversários os cerca de 500 bilhetes obrigatórios pela lei aos 2 primeiros do campeonato: Porto e Benfica.
Além desses só entrariam sócios.
Fi-lo antecipadamente para que ninguém viesse dizer que falar depois é fácil.
Após estes 2 jogos, principalmente após o jogo com o Benfica e não me querendo gabar, acho que era mesmo isso que alguém no NOSSO clube deveria ter tido coragem para fazer.
O Benfica jogou em casa. E se em vez de 6000 benfiquistas e 3000 rioavistas estivessem 3000 rioavistas e 600 benfiquistas o medo do Hugo Miguel se calhar era outro.

O Benfica jogou em casa e A culpa é dos representantes do Rio Ave FC que são submissos ao poder instalado.
Até directores/colaboradores/prestadores de serviços ao benfica ou empresas do benfica se achavam em casa na tribuna de honra do nosso estádio.
UMA VERGONHA.

Aliás fala-se tanto no G15... Desafio: Tenham coragem para numa das épocas todos esses clubes fazerem isso: não venderem bilhetes ao público nos jogos em casa com os grandes.
Isso sim, seria uma demonstração de força total. Uma demonstração de grandeza por parte de quem é chamado pequeno.

Pior que isso e isto não escrevi antes do jogo com o Porto, para não dar ideias a portistas nem benfiquistas.

O público pagava 37 euros para um bilhete na bancada poente lateral.
Pois bem, o que eu pensei e o que eu faria se fosse estarola era:
3 meses de cotas do Rio Ave FC= 21 euros + 8 euros de bilhete de sócio + 5 euros cartão = 34 euros.
Ficava mais barato a um estarola fazer-se sócio do Rio Ave FC do que pagar bilhete de público.
Isto é de uma incompetência brutal.
De uma falta de visão e de inteligência assustadora de quem dirige ou é funcionário responsável por esta área num clube profissional há 10 anos na primeira liga.

Enfim... para terminar:
Para Kant o bem maior do ser humana é a sua dignidade... e essa... nunca devemos perdê-la, no limite, nem que isso nos custe a vida.
Pelos vistos é um valor irrelevante no NOSSO RIO AVE FUTEBOL CLUBE.

13.5.19

Erros e mais erros

A uma jornada do fim do campeonato o Rio Ave FC sabe que não conseguirá atingir uma das metas definidas no início da época: a Liga Europa.
Chegámos a andar lá bem perto, mas ...
Este objetivo não foi alcançado, muito por culpa própria e muito por fatores externos.
O que importa é corrigir os erros próprios. Veja-se, a exemplo, o último jogo em Vila do Conde. Perante o Benfica a lutar pelo título de campeão nacional, as ofertas que demos. 
É verdade que dignificamos o jogo, que lutamos, que tivemos momentos de bom futebol, que pressionamos e criamos a incerteza quanto ao resultado. É verdade que a equipa de arbitragem (e VAR) incluído falharam e erraram. Mas se não fossem os nossos erros, o resultado poderia ser bem diferente.
Só corrigindo os nossos erros é que caminharemos para ficarmos mais fortes.
Quanto aos erros de terceiros, teremos de saber conviver com eles e, no momento certo, apontá-los a quem de direito.
O próximo jogo em Setúbal não é um jogo fácil. Apesar de nada alterar em termos de objetivos, o Rio Ave FC tem uma imagem a defender e o campeonato deve ser jogado intensamente até ao último segundo do campeonato.
A próxima época deve estar já a ser preparada, mais não seja na melhoria, prometida, das condições do Estádio do Rio Ave.

Ainda a arbitragem de Hugo Miguel ontem (ATUAL.)

Aqui fica para memória futura:




(o lance aqui)
Atualizado a 14/5: