8.2.09

17ªj - Académica - Mais 3

Não foi com virtuosismo que vencemos, mas não podemos ser esquisitos quando estamos na posição em que estamos. E com o tempo que fez e com o relvado que temos. Vêem-se algumas pequenas melhorias, não tanto pela táctica escolhida, mas pelo facto de que os avançados que chegaram mostram ser reforços, sobretudo Yazalde que tem tido um início promissor no Rio Ave.
Apreciei os primeiros 25 minutos de jogo, em 3 ocasiões marcámos 1 golo. Daí em diante defendemos mais do que atacamos, mas conseguimos segurar os 3 pontos. O futebol, o nosso, foi maçador e sujeito a uma pressão forte da Académica, que podia ter marcado em duas ocasiões.
Hoje surgiram alguns problemas defensivos que não tínhamos e me deixaram algo confuso. Miguel Lopes andou alheado do jogo e foi demasiado permissivo, Gaspar andou muitas vezes afastado do centro da defesa em dobras, sobretudo à direita, e foi sempre ultrapassado, criando grandes espaços para o adversário. Por outro lado, o nosso meio-campo que a defender costuma ser muito certo, hoje foi dominado em 2\3 do jogo e mostrou desacerto e precipitação demasiadas vezes. Mas vencer também passa por isto.

Entre os jogadores apreciei o esforço ofensivo de Yazalde, o melhor de todos. Sózinho na frente tem-se mostrado mais perigoso que Ronaldo e Chidi juntos. Também gostei bastante de Rogério Matias pela segurança que a sua experiência transmitiu.

Carlos Brito leva 3 de nota. O mister marca logo a diferença com o seu antecessor pelo facto de não ficar à espera que as coisas más aconteçam para tomar decisões. É Brito quem procura que algo aconteça e a seu favor, claro. Não quer dizer que tenha que concordar sempre com ele e hoje discordo com o facto de Livramento ter sido o último elemento a entrar. Antes de Tarantini, eu escolheria o nº8, para desacelerar o jogo do adversário, para guardar a posse de bola, para distribuir com maior qualidade. O tempo de jogo do médio português tem vindo a diminuir com este treinador, mas a meu ver as suas características únicas deviam fazer dele um jogador mais usado. Mais até que Evandro, que me parece estar algo frouxo. De qualquer forma é cedo para ver se a chegada de Brito ao Rio Ave vai ou não afastar Livramento com regularidade do terreno de jogo. Mas a verdade é que ganhamos, mostrámos no início do jogo alguma melhoria e mantivemos a boa tradição de vencer sempre que chegámos ao intervalo na frente.

Já só faltam 6 vitórias e a próxima é no Dragão!

2 comentários:

Anónimo disse...

uma nota para o gil e o jpmeneses: dizem que brito esteve muito bem...porque nao esperou que as coisas acontecessem?!?! por substituir o evandro pelo moutinho? ou por substituir o coentrao pelo tarantini aos 70min.? ou por ter esperado que o mantorras marcasse um golo?

ass. carlos

José S. disse...

Finalmente ganhámos!
Continuo a achar que alguns jogadores do Rio Ave, ou começam a jogar verdadeiramente à bola ou nem sequer deviam ser convocados.
Vejam o caso do Niquinha e do Evandro que, apesar do peso da idade, dão o litro.