1.4.20

A renovação de Carvalhal

Escrevo no pressuposto de que as competições estão terminadas e que há que pensar na próxima época.
Claro que preparar a próxima época, nesta altura, é uma incógnita gigantesca, porque ninguém consegue saber como vamos sair deste pesadelo. E quando.
Mas sabemos que, mais cedo ou mais tarde, cá estaremos todos novamente (espero...) para gritar pelo nosso Rio Ave.
Pode parecer precipitado, mas há coisas sobre a nova época que podem ser desde já pensadas (o que não é o mesmo que decididas e, ainda menos, anunciadas): dispensas, renovações, promoções da equipa B. Contratações é mais difícil.
A prioridade, contudo, será a renovação de Carvalhal.
Anunciá-lo agora, se possível, seria também uma prova de confiança para o futuro.

PS - considerei a contratação de Carvalhal a 'notícia da época', mas escrevi a 7 de janeiro, quando abundavam as notícias sobre a sua saída (primeiro por causa do jogo da Taça da Liga, depois por causa do Bragantino), que o treinador não tinha condições para continuar. Enganei-me.

30.3.20

Confio que o Rio Ave vai sair da crise de uma forma positiva

O Presidente deixou hoje uma mensagem aos Rioavistas.
Enquanto a lia, surgiram-me estas ideias que partilho com os leitores:

Há coisas que nunca mudam no futebol português, mas há outras que estão hoje claramente melhor do que há 10 ou 15 anos. Uma delas são os salários em atraso nas equipa profissionais de futebol.
Todos nos lembramos de que como era antes da Liga se ter interessado a sério pelo assunto e de como o Rio Ave era um dos protagonistas, com sucessivas notícias de problemas.
Acredito que todos os dirigentes tentaram fazer o melhor em cada momento, mas neste aspeto, como noutros, o Rio Ave mudou muito desde que António Silva Campos chegou à liderança do Clube.
Vem isto a propósito do momento que estamos a viver e que, não sendo nem de perto nem de longe o mais importante, também se reflete no futebol.
Acredito que, hoje, o Rio Ave está muito melhor preparado para enfrentar uma crise, até porque a credibilidade que reuniu nos últimos anos lhe permite ir à banca, se nevessário.
Claro que as coisas vão mudar, claro que as equipas não vão poder apresentar orçamentos tão elevados e terão de diminuir as despesas, mas confio que o Rio Ave vai sair da crise de uma forma positiva.

27.3.20

Duarte faz a análise do campeonato disputado

Uma entrevista ao Capitão Duarte, no jornal Vilacondense de 17/3.
Várias ideias que retive:
- esperava mais na primeira fase do campeonato;
- a equipa ficou mais forte desde que Carvalhal encontrou uma equipa-base;
- o que se passou frente ao Belenenses foi o que se passou em vários jogos da primeira volta;
- Piazon e Diego têm sido os jogadores mais desequilibradores
(clicar para auemntar)

25.3.20

Carvalhal quer fim do campeonato já "com classificação atual" mas "sem campeão" (ATUAL.)

Carvalhal polémico?
Carlos Carvalhal defende que o campeonato deve ser dado por terminado, não exista campeão nacional nesta temporada, mas a classificação seja fechada como está.
"Penso que não há outra possibilidade que não seja decretar o final do campeonato com a classificação atual", revela o treinador do Rio Ave.
(mais aqui)
Atenção que  Liga de futebol diz que é impossível definir data para o regresso


Atualizo a 30/3 com as declarações do Presidente: O Presidente do Rio Ave, António Silva Campos, endereçou uma mensagem aos sócios vila-condenses, em que afirma que o futuro das competições profissionais vai depender da evolução da pandemia do coronavírus. «Os clubes, a Liga, a FPF, a UEFA, a FIFA, a FifPro e a ECA procuram constantemente soluções e respostas para essas questões. Mas tudo está dependente da evolução da pandemia. Todos queremos as melhores resoluções para as inúmeras interrogações que se levantam à volta do fenómeno do futebol. Não sabemos ainda quando tudo irá ficar normalizado, nem como será esse ‘normal’», afirmou o dirigente.

20.3.20

19.3.20

Ponto da situação - fala o Presidente

Tirado do Terras do Ave desta semana:
(clicar para aumentar)

16.3.20

NES, P Martins e Carvalhal

Nestes dias por casa apanhei um vídeo em que Carvalhal explica (em inglês) a sua ideia de futebol. Embora não se refira ao Rio Ave, as coisas batem certas. Carvalhal fala por exemplo de como os sistemas de jogos se devem adaptar às circunstãncias (por exemplo, aos jogadores disponíveis) e da ideia do futebol ser um jogo inteligente: uma equipa pode ter muito menos posse de bola e oportunidades, mas quando tiver uma ou duas tem de resolver bem, com critério. Como no Dragão.


Através deste mesmo canal de vídeo, cheguei a um outro vídeo, no caso do enorme Nuno Espírito Santo.
Neste vídeo (também em inglês) ele fala do seu primeiro jogo como treinador profissional, a 18 de agosto de 2012, perdido aos 87 minutos. E diz uma coisa brutal, que - de certa forma - choca com as críticas de Pedro Martins (de quem também tenho boas memórias, mas a quem nunca 'perdoeei' a forma como saiu...): um treinador não se define pelo número de espectadores que tem nas bancadas. Podem ser 60 mil ou 6 mil.
Nuno é e continuará a ser o meu ídolo!



PS -  Carvalhal conta neste texto como está a viver o Covid19

12.3.20

Covid-19, e o silêncio da operação Fora de Jogo!


(Foto: Lusogolo)
Vivemos tempos de refúgio que deve servir para reflecção e para corrigir atitudes, por fim falo, parece-me muito estranho cumprimentar á distancia, ser cumprimentado como se fosse um infeliz infetado, e ver outros a gozarem com as máscaras cor de rosa para as meninas, e azuis para os rapazes, e que já se compram na  farmácia a 2.5€ cada UMA, um disparate. Se esta paragem, vai servir para acabar com isto tudo, pois bem, que a quarentena seja em silêncio, e que traga a paz que tanto desejamos ao futebol!


Pior no entanto parece-me o silêncio do nosso clube em relacção ao que  as estações e jornais falam e colocam na lama o bom nome do  Rio Ave, e que eu saiba,  pelo menos até agora, ninguém numa qualquer “news letter” veio a terreiro descansar os sócios do Rio Ave,  tal como  fizeram de imediato Porto, Benfica, e Sporting .




- Só não entendo este silêncio por parte do Rio Ave, se é apenas isto?
- Não merecia uma palavrinha, que fosse? Enfim, e o sócio sou eu!

Visitas às escolas do concelho

Várias vezes abordei aqui o divórcio entre o Clube e o concelho, exemplificado pela escassez de visitas dos nossos jogadores às escolas locais.
Nos últimos tempos, porém, a situação mudou (o próprio Clube tem no seu site informação sobre como se devem organizar as visitas) e tem havido diversas visitas.
Ainda esta semana, Mané e Piazon (e o Tubas) estiveram em Vairão e pela reportagem vídeo foi bastante interessante (falta informação no site).
Considero estas iniciativas muito importantes.

PS - Piazon falou sobre a Liga Europa, mas, seguindo as 'instruções' de Carvalhal, não se alongou: "Quem não quer jogar a Liga Europa? Não pensamos muito nisso, por agora. Mas, se tivermos essa possibilidade, será positivo, para mim e para o clube". Mané ainda foi mais esquivo: "O objetivo é sempre vencer quando entramos em campo. Temos jogado muito bem e somos das melhores equipas a praticar futebol em Portugal"

11.3.20

Golo no Dragão revela o que é a identidade do Rio Ave

Anda meio mundo a ver o video do golo de Taremi no Dragão, impressionado com os 15 toques de bola.

Deixo duas notas:
1) Carvalhal (e a generalidade dos treinadores hoje em dia) fala muito em identidade. Este lance retrata, penso, essa identidade, a identidade da nossa equipa: o envolvimento de todos os setores no processo, a facilidade dos centrais participarem na construção (veja-se do toque 9 para o 10), a subida dos laterais, a circulação de bola, o evitar o futebol direto, a inteligência de saber esperar e procurar os melhores momentos.

2) Mas como não jogamos sozinhos, também estamos dependentes do que joga a outra equipa (muito mais sendo o FC Porto e o jogo no Dragão...).
E o que nos mostra este instante (aos 56 segundos) é a apatia portista entre linhas, que não pressiona os nossos jogadores. Os jogadores do Rio Ave fazem o que têm a fazer, e fazem-no muito bem, mas era com coisas destas que Sérgio Conceição devia estar preocupado e não com o penalti que até podia não entrar...

10.3.20

Dores de Crescimento

O Rio Ave FC fez um grande jogo no Dragão.
Contra uma equipa com melhores jogadores, onde muitos já foram campeões nacionais e com um orçamento incomparavelmente muito mais baixo do que esse adversário, fomos capazes de marcar um golo, sofrer apenas 1, concedemos algumas oportunidades, mas não mais do que aquelas que criamos. Podíamos ter feito golo também aos 70, 92 e 99 minutos.
O facto de estarmos a crescer faz-nos pensar que foi bom, mas não nos coíbe de dizer que podia ter sido melhor. E essa ambição medida e não desproporcional é importante para o crescimento.

Mas voltando ao jogo, creio que a diferença esteve no treinador. Carvalhal mostrou que é muito mais do que um treinador ao estilo das ilhas Bora Bora. Não é com frases de arremesso, com gritos na linha lateral e com berros de "bora-bora" à saída do balneário que se é bom treinador. E no fim percebemos que a gritaria continuou e que Carvalhal além de ser melhor treinador tem também outra classe e postura.

Conseguimos cortar espaços, conseguimos sair, conseguimos criar.
Menos posse de bola que o habitual (o que era de esperar pela qualidade do adversário e pela ausência de jogadores importantes),  mas muito bem a alternância entre a linha de 4 e de 5. Concentração muito boa da equipa. Musrati e Amaral entraram mal, mas a partir do nosso golo subiram de rendimento. Aderllan e Pawel fantásticos. Figueiras com o trabalho táctico mais complexo porque no fundo era com o posicionamento dele e quando ele o definia que a equipa passava de 5-4-1 para 4-3-3 e vice-versa. Além de ter feito a assistência para Taremi com um movimento interior muito bom.

Taremi marcou no Dragão (e podia ter feito outro) e já tinha marcado na Luz para a Taça (para não dizer que em Alvalade sofreu 3 penaltis). Se alguém tinha dúvidas hoje não pode ter. Jogue contra o Aves a quem marcou 3 ou contra os da frente, seja em casa ou fora, consegue ser decisivo.

Quanto ao penalty pedido pelo adversário é interessante ontem uma imagem parada da CMTV com zoom onde se pode constatar que o primeiro contacto é da perna esquerda de Aderllan com Marega ainda antes da linha da área e portanto fora da área. Portanto, que é falta é... Agora, seria interessante perceber se o VAR acabou por não intervir porque não podia. Se é fora da área não pode fazer nada. Também a seguir é mostrado cartão ao Aderllan por um corte com a perna... e Conceição não se quiexou.

Quanto aos 3cm nem vale a pena falar. Já perdemos por 6, por 20 e por 33. É igual para todos e temos de aceitar.

Quanto aos 10 minutos de descontos, depois de Artur Soares Dias ter dado 6 minutos em nossa casa contra o Famalicão e ter demorado o mesmo tempo para validar um lance... não sei o que o treinador adversário quer dizer...
Sinceramente só pode estar a desculpar a sua incompetência. Não entendo como é que justifica um empate contra uma equipa com orçamento e jogadores não tão bons como os seus, quando teve 100 minutos para ganhar e o Rio Ave FC não tinha em campo 2 jogadores que tinham sido castigados na jornada anterior com amarelos forçados pelo árbitro e, segundo Carvalhal (que lhe chamou o nosso Messi), o melhor jogador do Rio Ave FC. Nós jogamos sem 3 dos nossos 5 melhores jogadores: Matheus, Diego e F. Augusto, 2 deles com a ajuda de terceiros... e eles queixam-se do árbitro?
Falam do jogo do ano passado? Que se virmos bem são de facto 2 penaltis: é um penalty para cada lado. E o jogo da primeira volta?
O treinador adversário devia era no final do jogo dar os parabéns a uma equipa que marcou um golo ao fim de 1 minuto de posse de bola sem que eles a conseguissem cheirar.

Estivemos muito bem. Jogadores e treinador fantásticos. O empate acaba por ser justo.

PS: fizemos 6 remates no Dragão contra o FCPorto. Não podemos em casa fazer só 7 contra a SAD de Belém. Vi jogadores do Porto a rematar fora da área algumas vezes. Se encontramos equipas fechadas como foi o B SAD e como será o Paços de Ferreira, a meia/longa-distância tem de ser uma solução a explorar.

Carvalhal, nem penses em ir a Angola...

E sabido que Gelson Dala tem um exército de fãs em Angola. Esses militantes da causa daliana tomaram de assalto as publicações no Facebook e não 'perdoam' a Carvalhal o facto do jogador continuar a ser suplente...

Como curiosidade, ficam alguns exemplos tirados daqui:

Tilson Da Silva Em apenas 12 minutos. Gelson Dala jogou melhor que os 11 jogadores do Porto e Rio ave juntos. Melhor jogador da história do Rio Ave. Quem concorda chega aqui mangolé. GD57 mereci titularidade

Taddes Torres Forte Se o Dala entra-se a titular com certeza A história do jogo seria outra👌🏿

Mwana Mbianda Polo Lung O Gelson ja demostrou o quanto ele merece vaga no Onze inicial, mas o técnico simplesmente ignora, e esta ignorância vai prejudicar o Rio Ave

Jesus Lucala Oficialdiscotecalucala Lucala Carvalhal não quis ganhar ao Porto! Como coloca Gelson Dala a faltar 10 minutos?

Bobje K Bodjé Portugueses naõ tem anbiçaô nenhuma na vida inportante pra eles é so beber vinho tinto e falar bem do cristiano ronaldo. .gelson no banco!!! Sinceramente

Alfredo Estevao Tula Jacinto Esse treinador não queria ganhar o jogo, do contrário colocava o Dala antes dos 70.

Gerson Malaquias O treinador se quisesse ganhar tinha que lançar o G. Dala mais cedo, só para não dizer que já merece ser titular

Waster Mariano Hernane Sinceramente Sr.Carlos
Eu acho que não querias vencer o jogo!!

Manuel Rodrigues Senhor treinador tu precisas abrir os olhos, e ver que o Gelson Dala tem potencial para jogar mais tempo.

Fredh Ferreira Vçes não Querem ser Ajudados pelo Dala, é Possivel hum Treinador meter o GD57 aos 87min💔😥
(foto: Facebook Rio Ave FC)

9.3.20

O regresso de Jaime

Esta tem sido uma época para esquecer de Jaime nos sub23.
Problemas físicos tiraram-no das convocatórias e, quando reapareceu, voltou a sair.
Basta ver que, dos últimos 8 jogos que fez, em nenhum esteve no onze inicial (desde setembro que não é titular!).
Consequência disso, também não tem marcado golos...
... até que no passado sábado, em Alcochete, fez dois dos três que deram a vitória ao Rio Ave e ainda assistiu o terceiro.
Temos Jaime em grande forma para o final do campeonato de sub23?

Atenção que o Sporting não tem equipa B, pelo que os sub23 são - tal como acontece connosco - a sua segunda equipa.
(foto: Facebook Rio Ave FC)

(De acordo com o Transfermarket, Jaime tem mais uma época de contrato com o Rio Ave. Em setembro faz 23 anos.  Espero duas coisas: que não tenha mais problemas físicos e que jogue com mais regularidade. Pelo que se tem visto,. dificilmente chegará à equipa principal do Rio Ave, mas o que Jaime precisa é de sair e mostrar o seu valor)

8.3.20

O que fica do empate no Dragão

1) O FCPorto resume o jogo ao alegado penalti não assinalado. Compreende-se que o faça, mas é sinal de que não têm outras coisas para dizer. O lance é duvidoso. Aceitaria qualquer decisão do árbitro, mas reconheço que, sendo duvidoso, faria sentido ir ao VAR, já que Aderllan não toca na bola.
2) Ainda arbitragem: Aderllan viu amarelo injustamente e fica de fora no próximo jogo (a bola tocou na coxa e não com o braço, mesmo à frente do juiz de linha). Faz sentido pedir a despenalização.
3) Muito mais importante: o Rio Ave termina o jogo  - em pleno Dragão - a procurar o ataque, tentando o golo e dispondo de oportunidades, sem medo do adversário, que também estava a dar tudo por tudo.
4) Fica também o recorde, com 38 anos: 9 jogos sempre a pontuar. Sexta-feira, frente ao Paços (se o Covid deixar...), vamos continuar a fazer história.
(Al Musrati pareceu ter acusado o seu primeiro jogo no campo de um 'grande' e, ele que é tão certinho no passe, perdeu várias bolas)



7.3.20

(1-1 no Dragão) A aposta nos três centrais foi de mestre!

Carvalhal fez a diferença hoje no Dragão, com a aposta nos três centrais! Empatámos, mas se tivessemos saído derrotados do Dragão, diria o mesmo.
Na primeira parte Monte secou Marega e na segunda a tripla esteve muito acertada, com destaque para Aderllan, que fez um grande jogo e foi, com Kieszek, o melhor em campo.
Claro que o Rio Ave sofreu, claro que o Porto teve mais oportunidades, mas isso seria sempre normal e compreensível.
Do nosso lado é preciso ver que alinhámos sem três titulares, ainda por cima dos indiscutíveis (Filipe Augusto, Matheus e Diego, sendo que os seus substitutos estiveram uns furos abaixo do que se poderia esperar). Qualquer equipa nestas circunstâncias, sem três referências, terá de se ressentir.
Houve muita entrega, superação, uma lição bem estudada e - reconheça-se - um VAR que anulou um golo ao FCPorto por 3 centímetros!
Um resultado muito motivador e mais um jogo sem perder.


5.3.20

Pasteis de SAD (sem açucar)


Do jogo com o Belenenses ficam 4 coisas

1.Um jogo em que fomos melhores do que o adversário, mas que temos jogadores, equipa e treinador para ser muito melhores do que o que apresentamos.
Rematar 7 vezes durante um jogo é péssimo. Dois remates enquadrados é ainda pior.
Acertar duas vezes em 90 minutos na baliza, apesar de ser mais que zero que foram as vezes que a SAD sem clube acertou, é muito pouco para quem quer fazer 51 pontos na Liga NOS.
Temos jogadores com boa meia distância e ninguém arrisca, como por exemplo Nuno Santos, Tarantini ou F. Augusto.

2.Médios
Carvalhal sempre se queixou dos médios que tinha, que eram poucos. É verdade. Desta vez havia 2 baixas no jogadores mais ofensivos do meio campo: Piazon e Diego; é um facto. Carvalhal, para um jogo com uma equipa pior opta por 3 médios, em que nenhum dos quais tem vocação claramente ofensiva. Aqui entra a questão: porquê?

Ou teve medo de jogar com Musrati, Tarantini e F Augusto porque não conseguiu tirar nenhum dos 3 da equipa porque não teve coragem de deixar nenhum no banco (e isso assusta-me), ou então acreditou que aquela era a melhor solução. Querendo eu estar certo que só a última faz sentido, menos percebo a ausência de pelo menos mais um jogador no banco que fosse médio. Leandrinho era o único. Onde anda Vitó, onde anda Diogo Teixeira... por exemplo. Se de facto não contam, deixem-nos ir para o Casa Pia.


3.Os cartões que pareceram escolhidos a dedo para F. Augusto e Matheus que falham o Dragão. Não deixa de ser curioso que o jogador mais regular do Rio Ave esta época (apesar de para alguns adeptos não jogar nada mas já escrevi sobre isso) e o único jogador que não tem um substituto à altura (espero que Pedro Amaral não saia do Dragão com a alcunha de A28, porque pelo que até aqui tem mostrado o probabilidade de isso acontecer é grande)  fossem castigados. Eu até posso aceitar que os lances são para amarelo; mas a serem então seria impossível a equipa da SAD sem clube acabar o jogo com 11 jogadores.

4. A newsletter (que não recebi) onde se critica quem critica é tão mas tão ridícula, que fico com dificuldade em perceber se é mais ridículo:
-quem a escreveu,
-quem a aprovou,
-o conteúdo da mesma,
-ou o facto de quem a escreveu,  de quem a aprovou e de quem a publicou não ter dois dedos de testa e achar normal criticar quem comparticipa para que uns deles tenham o ordenado e outros o tacho ao fim do mês, achando-se por isso, que são mais rioavistas do que quem sempre o foi, é e sempre será, só porque são assalariados do clube e começaram a ser riovistas desde o dia em que o ordenado lhes começou a cair na conta e serão até ao dia em que deixar de cair.

PS: fiquei ainda na dúvida sobre o que seria ainda mais ridículo: a Newsletter ou a SportTv dar o prémio de melhor em campo a André Santos...

Piazon e Al Musrati recuperados para o Dragão

Hoje de manhã assustei-me ao ler os jornais: quer O Jogo quer a Bola dizem que o Rio Ave tem três jogadores do meio campo lesionados (Piazon, Diego e Al Musrati.) mais Filipe Augusto, que não pode jogar no Dragão por razões disciplinares
Já se fala num Plano B, com jogadores dos sub23 mais Tarantini.
Felizmente, no treino desta manhã foi possível ver Piazon e Musrati a trabalhar em pleno! Não vi Diego.
(gostava de ler informações deste tipo na newsletter...)

4.3.20

Demolição da bancada - contrarrelógio

Faltam dois meses para acabar a época e esse poderia ser o momento para iniciar a demolição da bancada nascente.
Acontece que, como se pode ver, as obras da Academia não estão prontas nem ficarão - penso - nesse período de tempo.
Acredito que a Direção tudo estará a fazer para ter o assunto resolvido no mais curto espaço de tempo, de modo a iniciar as obras rapidamente.
PS - Já há projeto para a nova bancada? Já foi lançado o concurso? Quanto tempo vai demorar a construção? (perguntas que, estou certo, todos os Rioavistas gostariam de ver respondidas)

3.3.20

(sub23 2-2 na Luz) Carlos Alves e... Bruninho

Já foi há alguns dias, mas vale a pena referir o empate conseguido pela equipa sub23 no Seixal, frente ao Benfica.
Mais dois de Bruninho (o primeiro, com grande classe, e o segundo pleno de oportunidade, à ponta de lança) e um punhado de boas defesas de Carlos Alves garantiram a igualdade.
(resumo do jogo aqui)
(foto: Facebook Rio Ave FC)

Já são 13 golos marcados por Bruninho.
Suficientes para lhe garantir um lugar na pré-época?
É jogador com contrato com o Rio Ave?
(foto: Facebook Rio Ave FC)

2.3.20

Rio Ave perde tempo a criticar os seus próprios adeptos (o 'crime' de escrever que foi uma 'noite desinspirada'...)

Acabo de receber um comunicado texto da newsletter do Rio Ave FC, que imagino tenha sido enviado a outros sócios, e que, pelo menos em parte, serve para responder ao que escrevi no final do jogo com o Belenenses.

Quem critica deve estar preparado para também ser criticado, só me admira que o Clube gaste energias a criticar os seus adeptos, apenas por estes não terem exatamente uma opinião igual à que foi manifestada, por exemplo, pelo treinador. São opções.

Escrevi por exemplo essa coisa certamente grave (!) de que foi 'uma noite desinspirada'. O Rio Ave reage: "Falar de desinspiração da equipa num jogo em que o adversário, à imagem do seu treinador, se fechou e procurou reduzir todos os espaços no seu último terço, é ignorar os factos e vestir a pele de ‘velho do restelo’."  O mesmo texto também refere o facto de eu ter escrito que o guarda-redes adversário não fez uma defesa (até reproduz a minha frase entre aspas...), para lembrar uma, após remate de Dala (era uma metáfora, mas enfim...).

Insisto: quem critica deve estar preparado para ser criticado. Aceitaria muito mais facilmente que o treinador ou algum jogador o fizessem, mas custa-me a aceitar que seja a instituição a fazê-lo. 

Ainda por cima, sejamos objetivos, 'uma noite desinspirada' nem chega a ser uma crítica...

Acrescento apenas que coisas como esta mostram como ainda precisamos muito de crescer: estavam bem tramados FC Porto, Benfica ou Sporting cada vez que um adepto manifesta publicamente opiniões diferentes da posição oficial...

(já agora, custa-me a aceitar que ASC tenha aprovado tal texto, ele que, até agora, sempre soube respeitar o espaço de opinião dos adeptos)
(o comunicado na íntegra aqui)

PS - apenas li o que A Bola escreveu sobre o jogo e não anda muito longe do que eu próprio escrevi.

1.3.20

O que fica do empate com o Belenenses

Nota prévia: é tão óbvio que só podia haver um vencedor que perguntar a Carvalhal se considerava o resultado justo, sendo uma pergunta legítima, é... parvo! Daí a resposta do míster... Até porque, toda a gente viu, o Belenenses não quis nem fez nada para ter mais do que o pontinho.

Dito isto, acho que detalhada explicação de Carvalhal no final do jogo tem um 'mas...'.

Vejamos: o treinador diz que «Não podíamos ter feito mais. Merecíamos ter saído vencedores. Não gosto muito de estatísticas, mas eles ajudam a perceber o que foi o jogo. 12-1 em pontapé de canto, 7-0 em remates dentro da área e 2-0 em remates à baliza. Não foi um jogo avassalador em termos de oportunidades, mas foi no domínio, controlo de jogo e transições. Evidentemente que quando uma equipa se fecha como o Belenenses se fechou, é difícil criar oportunidades. (...) É preciso algum jogo interior neste tipo de encontros e hoje não tivemos o Diego e o Piazón, jogadores que dominam esses espaços. O Dala não está a 100 por cento, mas mexeu com o jogo quando entrou. Fizemos tudo o que podíamos ter feito. (...). Só se tivéssemos o Messi emprestado. Hoje o nosso Messi, o Diego, esteve de fora.» (tudo aqui)
Concordo com tudo o que Carvalhal diz, mas... (lá está) acho que falta qualquer coisa.
Sem Diego e Piazon a equipa teria de ter jogado de outra forma. Carvalhal pôs Tarantini a fazer de Diego. Eu teria posto Dala. Se não aguentasse os 90 minutos poderia ter sido substituído na parte final.

Mais equipas virão jogar como o Belenenses. Se não tivermos Diego estamos arrumados? Não acredito!
(foto: Facebook Rio Ave FC)

PS - Filipe Augusto e Matheus Reis não jogam no Dragão, na próxima jornada da Liga. Matheus poderia ter sido mais 'cuidadoso' no lance em que viu o amarelo, numa zona do terreno sem perigo?