31.10.13

Presidente do Rio Ave contra presidente da Liga

Foi com agrado que li estas declarações de ASC: «"Quando deixa de haver diálogo entre o presidente da Liga e os presidentes dos clubes, entra-se por um caminho que não é viável. Essa falta de diálogo leva a que se façam várias interpretações sobre um assunto e os clubes sentem-se à parte».
Já tinha manifestado as minhas reservas à atuação do presidente da Liga aqui e aqui.

Diálogos imaginários 58

- O mister faz os treinos à porta fechada...
- ... mas continua a haver muitas correntes de ar!

Futsal - o reencontro com Alex

O jogo de sábado frente ao Boavista tem um interesse acrescido: o reencontro com Alex, um dos três melhores jogadores que vestiu a camisola do Rio Ave no futsal.
Eu sei que estas avaliações são muito subjectivas (exacto, são minhas...) mas para mim Alex é inesquecível. Foi ele, entre o plantel, o grande responsável pela ultima subida de divisão.
Alex: és muito grande, mas sábado, desculpa lá as coisas correrem menos bem...

T-shirt 15

5 jogos, seis pontos?

Ja se falou e ainda se vai falar mais do ciclo difícil de cinco jogos que aí vem (inclui Braga, Benfica e FC Porto, além de Estoril e Olhanense).
Dos 15 pontos em disputa, o Rio Ave fará seis?
Acho que o mínimo que se pode exigir à nossa equipa é pedir-lhe seis pontos, esperando sempre mais.
Mas não vai ser nada fácil, pela pressão a que a equipa estará sujeita, nomeadamente se perder em Braga (o jogo com o Estoril passará a ser ainda mais importante).
Por isso, nada melhor do que ir pontuar domingo a Braga, aproveitando a intranquilidade do adversário e a nossa predisposição para pontuar fora.
(só não acredito que o consigamos com o onze de sábado, mas isso é outra questão)

30.10.13

Ukra a abrir

Em velocidade pelas alas e a distanciar-se dos demais colegas na eleição para o melhor jogador de 2013/2014, o Rei do Ave!

Ontem vimos que foi o melhor da jornada 8. Hoje fazendo contas aos pontos acumulados, vemo-lo destacado em 1º lugar com mais 9 pontos que Marcelo e Tarantini, empatados em 2º lugar com 235 pontos. Entre os 11 melhores, Marcelo igualou o Rei Tarantini e Braga subiu ao 8º lugar trocando com Wakaso.

Estatística: nós e 10 pontos

O Rio Ave está sózinho no 9º lugar, o mesmo da jornada anterior com os mesmos 10 pontos. Estamos a meio caminho entre os lugares europeus e a linha de despromoção, 4 pontos nos separam tanto dos de cima como dos de baixo.

Estatística: igualdade nos golos

Sofremos com o Gil Vicente o 7º golo da época e temos agora tantos marcados como sofridos. Olhando para o tempo de jogo, as segundas partes são as mais profícuas, 10 golos nos nossos jogos, 5 marcados e outros tantos sofridos. Quanto ao local de onde acontecem os remates decisivos, os nossos adversários marcam de mais longe. No ano passado em toda a época foram 3 de fora da área, os mesmo que este ano aconteceram nas mesmas circunstâncias em apenas 8 jogos disputados.

Estatística: 4º jogo a zeros

Olhando para a lista dos nossos jogos, dá vontade de dizer que a equipa nos enganou com duas vitórias nos dois primeiros jogos da época e com 5 golos marcados sem sofrer nenhum. A recepção ao Gil Vicente trouxe o nosso 4º jogo sem golos marcados, o 3º em que tal aconteceu estando nós na condição de visitados. E das nossas 4 derrotas, também 3 são em casa. Ou seja, não marcamos, não pontuámos, tem sido essa a regra dos jogos do Rio Ave.

Estatística: 8 jogos, 4 equipas

Nuno estreou um novo onze inicial com o Gil Vicente. Foi o 4º da época. Nuno até agora só fez uma alteração por opção técnica e com carácter mais prolongado no seu onze predilecto: mudou Wakaso por Roderick. De resto, exceptuando o jogo em casa com o Guimarães, têm sido as lesões a ditar as mudanças. Contra o Guimarães Nuno decidiu descansar Hassan que vinha de um compromisso internacional e de uma viagem intercontinental. Rodriguez também falhou esse encontro, mas vinha tocado da sua selecção.

Pela primeira vez este ano o treinador não esgotou as substituições, ficou-se apenas pela segunda. Del Valle voltou a ser suplente utilizado, 8 presenças e todas nessa condição. A sua entrada ao intervalo foi a substituição que mais cedo aconteceu por decisão do treinador. Em Coimbra Lionn saiu com 11 minutos de jogo por lesão.

Estatística no amarelo

Sábado Roderick levou mais um cartão amarelo e já soma 3. São os mesmos de Marcelo e menos 1 que Edimar, o mais amarelado da equipa. O que distingue Roderick dos colegas é o facto de ter apenas 200 minutos de jogo contra 720. Ou seja, Roderick vê um amarelo a cada 66 minutos de jogo.


(Dos nossos emprestados no CNS 7ªj) Paulo Jorge quase imbatível

Comecemos pelo Gondomar, a equipa que mais tem usado os nossos emprestados. E o guarda-redes Paulo Jorge (Paulinho nos tempos do Rio Ave) é um dos menos batidos de todo o CNS. Este domingo manteve as redes do Gondomar a zero, na vitória por dois golos sobre o Sousense.
Baldaia e André Costa também foram titulares.
Na série B do CNS houve duelo 'vilacondense': Tirsense e Ribeirão empataram a zero.
Pelo Tirsense, André Dias (a defesa) e José Diogo (a médio) foram titulares; no Ribeirão, Mendes e Igor foram titulares.

29.10.13

Diálogos imaginários 57

Jesualdo - Ajudas-me no domingo? estou muito necessitado....
Nuno - Eu ajudava, mas também preciso de ganhar o jogo!

O desfado do Rioavista triste (para cantar!)

Lembram-se de vos ter falado na música que passou ao intervalo no Estádio?
Pois a coisa não me saiu do ouvido (achei-a premonitória), a ponto de ter amanhado rapidamente a versão do Rioavista triste (A Ana Moura que me perdoe, se algum dia souber...).
Para (tentar...) cantar com a música original em fundo (as partes em maiúsculas são as mudadas por mim)

Quer o destino que eu não creia no destino
E o meu fado é VER A EQUIPA JOGAR MAL.
Cantá-lo bem sem sequer o ter sentido
Senti-lo como ninguém, E APENAS VER FUTEBOL SEM SAL

Ai que tristeza, esta minha alegria
DE GANHAR ATÉ JÁ ME ESQUECI
Esperar que um dia eu POSSA SER FELIZ
COM AQUILO QUE NO ESTÀDIO AINDA NÂO VI

Ai que saudade
Que eu tenho de VER A EQUIPA GANHAR
Saudades de PODER VIBRAR E APLAUDIR
QUANDO VOU AO ESTADIO PARA APOIAR
Sentir-me triste
É O QUE ME ACONTECE MAIS
E alegre JÀ NÂO SEI O QUE É SER
Só por eu andar triste DEMAIS

Ai se eu pudesse TER DIREITO A SER FELIZ
COM AS ALEGRIAS QUE O MEU CLUBE ME PODERIA DAR.
Talvez NÃO LIGASSE AO QUE POR AÌ SE DIZ
QUE O RIO AVE NÃO JOGA NADA E VAI CONTINUAR SEM GANHAR.

Ai que desgraça esta sorte que me assiste
SE CONTINUAR ASSIM VOU MESMO DESANIMAR.
Na incerteza que nada mais certo existe
RESTA CONTINUAR  E RUMO À VITÓRIA EMBARCAR

(perdemos o jogo mas não perdemos o humor! Se alguém quiser fazer uma versão cantada pode mandar-nos!)


«Introduzir algumas alterações»

Dizer que Nuno vai mudar a equipa para Braga parece-me muito óbvio.
Nuno não vai certamente mexer na defesa, mas são esperadas (desejadas...) mudanças no meio campo e no ataque.*
O problema é, sobretudo no meio campo, a falta de opções.
Já aqui escrevi que me parece que faltam alternativas, que a lesão de Filipe Augusto acentuou.
Mas é no ataque que se exigem mudanças. Só Ukra é inquestionável.
Tem a palavra o treinador, que certamente sente que precisa de jogadores com garra para ir disputar o jogo a Braga, e não jogadores que (parece que) foram mordidos pela mosca tsétsé...

* Tão ou mais importante, mudar o sistema tático, que este não está a funcionar.

Ukra é rei

Ukra foi o jogador mais pontuado da semana.
O avançado somou 31 pontos, mais dois do que Vilas Boas.
Seguem-se três jogadores com 27 pontos: Salin, Marcelo e Diego.
Dos titulares que fizeram 90 minutos Roderick é o menos pontuado com apenas 20 pontos, menos do que Del Valle (21), suplente.

28.10.13

«Apostar sempre nos mesmos»

Ainda esta manhã critiquei o facto de Nuno apostar sempre nos mesmos jogadores quando se percebe que eles não estão a render.
Agora esta estatística confirma-o: apenas Nacional e Estoril utilizaram menos jogadores do que nós nestas oito jornadas. E o Rio Ave é a equipa com mais totalistas.

(Juniores 12) Ainda a goleada em Vizela

Pelo Rio Ave jogaram:
Ruben Alfaiate, Neiva, Silvério, Monte, Raúl Tavares; Abalo, Tiago Esgaio, Jean; Rafa (Ceitil, 74'), Bissourou Touré (Diogo Pereira aos 54') e Iuri Gomes (Bruno Sousa 82).
Marcaram: Tiago Esgaio, Jean, Rafa e Iuri Gomes.
Foi a primeira vez que marcámos 4 golos esta época, mas já tínhamos ganho 3-0
5ª vitória (contra 4 derrotas)
Estreou-se, se não estou enganado, mais um jogador: Bruno Sousa, centro campista.

Primeiro passo para a cura

Com a admissão de termos um problema, Nuno deu o primeiro passo para o regresso às vitórias em casa. Há uma coisa que não esclareceu totalmente, porém: ao ludibriar a questão como o próprio admite, fê-lo apenas para fora ou também para dentro do balneário? Para fora não me parece grave, será estratégia de comunicação, mas se ainda não tinha conversado com o plantel sobre isso, parece-me que errou. Neste momento o Rio Ave tem o 3º pior registo em casa das 16 equipas da Liga. No ano passado, se considerassemos apenas os jogos em casa o Rio Ave teria sido 10º.


Daqui em diante só podemos melhorar.

(8j Futsal): já que estamos com o psicólogo à mão...

Se contratarem o psicólogo, façam dois-em-um.
De manhã trabalha com a equipa de futebol e ao fim da tarde com a de futsal.
É que aqueles jogadores não desaprenderam e, agora, parecem estagiários no primeiro emprego.
Estão órfãos de Cardinal, como se este fosse uma "droga" e agora estivessem a ressacar?
Jogadores altamente experientes como Formiga ou Israel a tremer?
Não dá para acreditar.
Por isso falo no psicólogo.
O Fundão é uma boa equipa, mas não é melhor do que o Rio Ave. Jogou melhor, porque nós jogámos pouco.
A continuar assim, vai ser um sufoco até final do campeonato.

PS - a grande diferença entre futebol e futsal, nesta altura, vistos os dois jogos de sábado (e não só) é esta: o futsal, depois de estar a perder, consegue ir buscar uma alma, uma raça, uma força que lhe permitem atenuar o menos mau (é pena terem de estar a perder...); no futebol, nesta altura, não vejo isso.

[Deixem-me só reforçar mais uma vez: quando falo no psicólogo ou num terapeuta motivacional, podem pensar que estou a brincar ou a gozar; infelizmente estou a falar muito a sério]

(8ªj Gil Vicente) Positivo/negativo

Positivo:
- a iniciativa do marketing envolvendo a Churrasqueira do Ave. Não houve vitórias mas houve uma boa ideia;
- a exibição de Vilas Boas. Sobretudo neste contexto é sempre bom ver que há jogadores que dão a volta.

Negativo:
- a apatia geral, a incapacidade para dar a volta, a falta de forças para, a perder, massacrar o adversário;
- o facto de Nuno apostar sempre nos mesmos, mesmo quando não estão bem;

27.10.13

A contestação a Nuno

Ainda que claramente minoritários, os que contestam Nuno nas bancadas são cada vez mais. Ontem percebeu-se isso.
Arrisco dizer que Nuno nunca será um treinador popular em Vila do Conde, mas - na pratica - o que interessa é se ganha mais do que perde e não um concurso de popularidade.
E até agora Nuno tem dado mais alegrias aos Rioavistas, mesmo que comece a ser complicado não ver a equipa ganhar em casa.
No meio disto tudo não gostei que Nuno tivesse sido o primeiro a abandonar o relvado quando o jogo acabou, tendo deixado a equipa no relvado. Foi certamente uma reação momentânea que não se repetirá.

(8j Gil Vicente) Um-a-um: Vilas Boas (e Ukra)

Salin: 2 (teve duas boas intervenções mas também deu sinais de intranquilidade. Fora dos postes ainda não me convenceu)
Lionn, Marcelo e Edimar: 3 (num jogo muito disputado a meio campo, não foram dos jogadores mais interventivos. Mas cumpriram. Lionn e Edimar podiam e devia ter subido mais, acho eu)
Vilas Boas 4 (fez de Marcelo, isto é, couberam-lhe os lances mais difíceis, mais arrojados. E saiu-se sempre muito bem. Penso que agarrou o lugar mesmo com Rodriguez em pleno)
Roderick: 1 (erro de casting; defendeu pouco, ainda que não necessariamente mal, e em nada ajudou o ataque)
Tarantini: 3 (não sabe jogar mal, é como Niquinha, e tentou várias vezes marcar)
Diego Lopes: 2 (na primeira parte tentou dinamizar e os primeiros minutos, em que estivemos bem, devem-se a ele. na segunda parte eclipsou-se, o que já não é a primeira vez que acontece. A nota é uma média entre o 3 da primeira e o 1 da segunda)
Ukra: 4 (só ele existe no ataque, só ele faz a diferença, só ele é a luz que nos ilumina. Ontem fez tudo, e a nota é um prémio por isso, mas nem sempre bem)
Hassan: 1 (um dos rostos da crise de confiança; a dúvida é se precisa de jogar ou de ir ao banco)
Braga: 1 (ainda lhe vi um cruzamento para a área, mas tirando isso, houve mais alguma coisa, para além da entrega e de nunca virar a cara à luta?)
Del Valle 1 (era a arma secreta mas acabou por ser fogo de vista; nada lhe saiu bem e algumas vezes por culpa própria)
Renato Santos: 1 (sem tempo para mais?)

(8j Gil Vicente) «Ai que saudade que eu tenho de...»*

Parece-me claro que a equipa atravessa uma crise (grave?) psicológica.
Não sei explicar mas há-de haver uma explicação.
Eu, se fosse o treinador, pedir a ajuda de um psicólogo, de um motivador [se calhar podem pensar que estou a gozar mas estou a falar muito a sério].
A equipa não desaprendeu da época passada e é (basicamente) a mesma equipa.
Há jogadores que se arrastam em campo (não vou aqui dizer quais, para não ser mais negativo) apesar da sua evidente qualidade.
A crise psicológica revela-se na falta de clarividência e na ansiedade; na falta de agressividade e de atitude. E isto para não continuar aqui a desfiar adjetivos.
Os jogadores falham mais passes, chegam mais tarde aos lances, não têm o discernimento para resolverem bem lances difíceis, acabam por ter medo de rematar ou de tomar decisões.
Isto não tem nada a ver com profissionalismo ou com querer/vontade - que fique claro.
Está tudo na sua cabeça.
Neste contexto a pergunta que faço é: conseguirá Nuno resolver o problema sem ajuda externa? O Rio Ave não seria a primeira nem a última equipa profissional a recorrer a este tipo de ajuda.
PS - sobre o jogo propriamente dito já aqui a escrevi. Foi a quente, ainda nas bancadas, mas reafirmo hoje de manhã o que então disse. Acrescento apenas que me parece claro que Roderick não tem as características desejadas para um trinco, é suave, lento e não ocupa tão bem os espaços como, por exemplo, Wakaso. Nesta posição, e por aquilo que se viu até agora, estamos a perder relativamente a Wires. Outra coisa: compreendi bem a saída de Hassan e a entrada de Del Valle (já o tinha defendido antes, se a bola não chega a Hassan). Del Valle é que não correspondeu. Já me parece que Nuno esteve menos bem durante a segunda parte, quando se percebia que o Gil Vicente estava mais perto de marcar. Não reagiu. Nota 1 para Nuno.

* A intervalo, na instalação sonora, passou o tema Desfado de Ana Moura. Ao ouvir, lembrei-me das saudades que eu tenho de ver o Rio Ave ganhar e jogar bem; marcar vários golos e sair satisfeito do Estádio. É pedir muito? Há quantos anos?



Nuno e o fator casa (e a minha explicação...)

A forma como Nuno, na sexta-feira, eliminou aquilo que a todos parecia evidente surpreendeu.
Pouco mais de 24 horas depois, Nuno vem dizer que afinal o problema existe, já não é uma falsa questão.
A sinceridade, ontem, no fim do jogo, também surpreende: «Temos dificuldade a jogar em casa. Essa não é uma falsa questão. É uma evidência, mas vamos melhorar e a equipa vai estabilizar-se. Não consigo detetar o motivo. Tentei ludibriar o caso durante algum tempo, mas a questão existe. Temos de voltar a ter tranquilidade e sentir que não somos obrigados a ganhar em casa».

Aqui fica, mais uma vez, o meu contributo para esta problemática: não há propriamente um problema com os jogos em casa e fora, porque - infelizmente - o Rio Ave joga mais ou menos a mesma coisa nas duas circunstâncias. O que varia é a forma como jogam as outras equipas. Quando elas nos deixam jogar em contra-ataque temos mais hipóteses; quando se apresentam compactas em Vila do Conde sentimos mais dificuldades». A solução, do meu ponto de vista, passa por ter abordagens diferentes, taticamente e ao nível de jogadores, nos vários cenários.



26.10.13

Rio Ave perde 1-0 com o Gil Vicente

Mais uma má exibição da nossa equipa, que raras oportunidades de perigo criou e não teve argumentos para vencer o Gil Vicente.
Péssima arbitragem de um tal de Oliveira, mas -reconheça-se - sem influencia no resultado.
O adversário foi um vencedor justo perante um Rio Ave ainda mais apático do que tem acontecido

(Gil Vicente) Nuno repete o onze de Coimbra

Salin, Lionn, Marcelo, Vilas Boas e Edimar. Roderick, Tarantini e Diego. Ukra, Hassan e Braga. (ATUALizo: se considerarmos a lesão de Rodriguez, que saiu para entrar Vilas Boas)

(8j Futsal) - empate a um golo

O Rio Ave só acordou quando ficou a perder e só a partir dessa altura fez alguma coisa para justificar outro resultado.
Mas o empate acaba por ser justo já que o Fundão controlou melhor o jogo e dispôs de boas oportunidades.
A desenvolver comentário mais tarde

(Juniores 12) Rio Ave vence 4-1 em Vizela

Futsal: empate a zero ao intervalo

O Rio Ave desinspirado, a criar pouco perigo e a deixar o Fundão chegar-se muito mais à nossa baliza.
A rever na segunda parte.

Futsal: um mês de salários está quase pago

«(...) salta à vista a parceria com a Sport Zone, que permitirá à conhecida empresa de venda de artigos desportivos dar o novo «naming» ao Campeonato Nacional da 1ª Divisão, que passa agora a denominar-se por "Liga Sport Zone Futsal". Outra das medidas de grande relevância prende-se com a implementação de «prize moneys» permanentes, com cada clube do principal escalão do futsal português a receber cinco mil euros pela participação, além de um prémio de 500 euros por vitória»

Se ganharmos mais 10 jogos, são mais 5000 euros!
O primeiro é já logo, por favor.
Mas não é nada mau.

A Europa, o Paços de Ferreira e nós

Todos nós temos, certamente, acompanhado de uma forma ou de outra o que se está a passar esta época com o Paços de Ferreira: está em último na Liga, com apenas uma vitória (conseguida com um auto-golo...), na Liga Europa soma desaires e ainda por cima tem de jogar em Guimarães; os adeptos estão contra o treinador e sucedem-se os episódios tristes.

Como é sabido não é a primeira vez que uma equipa portuguesa experimenta as dores do parto europeu. Algumas, até, desceram de divisão na época seguinte a terem ido à Europa.
Não sei se isso vai acontecer ao Paços (é-me indiferente) e, muito menos, não sei (ninguém saberá) se isso aconteceria com o Rio Ave, se tivéssemos sido nós.
Duas coisas sei: que não gostava de ser adepto do Paços nesta altura; mas também é verdade que não há crescimento sem dores e que se nunca sairmos 'da cepa torta' nunca nos acontece nada, nem mau nem bom.

25.10.13

Tantos centrais... não é demais!

Com Nivaldo e Rodriguez lesionados, Nuno tem Marcelo como único central de raiz.
Há também Roderick, mas Nuno apostou nele como médio.
E Vilas Boas, que é médio, mas tem sido central.
São cinco defesas-centrais.
Vendo a lista de convocados para amanhã, se Roderick for titular, não haverá nenhum central no banco (haverá um lateral direito e um esquerdo; em caso de necessidade, Roderick terá de recuar).
Isso fez-me lembrar que há mais dois no plantel, que Nuno não chamou.
Jeferson e Ângelo Meneses *- dois jogadores com quem Nuno parece não contar, pelo menos para já.
Sete centrais era demais?

*Meneses e Tiago Silva continuam a treinar com a equipa, não estão inscritos na Liga, e não saíram emprestados.

(8j Gil Vicente): Convocatória sem surpresas (Luís Gustavo de fora)

Nuno chamou 18 para amanhã:

baliza: Salin, Ederson,
defesas: Edimar, Tiago Pinto, Lionn, Nuno Lopes, Marcelo, Vilas Boas, 
médios: Roderick, Wakaso, Tarantini, Diego Lopes, 
avançados: Ukra, Renato Santos, Braga, Del Valle, Sandro Lima e Hassan.

Convocatória sem surpresas, dentro do normal.
- por opção ficam na bancada Luís Gustavo (tarda em se afirmar) e Jeferson
- pelo posto médico andam: Felipe Augusto, Nivaldo, Júlio Alves, Rodriguez e Ronny

«Fator casa é falsa questão»

Disse Nuno esta manhã:
«A nossa interpretação do jogo não é nesse foco, de casa ou fora, isso é uma falsa questão. Tem de ser nossa intenção olhar o adversário, conhecê-lo e respeitá-lo. Seria absurdo não considerar que o mais importante somos nós», comentou Nuno Espírito Santo.

Para quem só tem essa frase, sem mais contexto e sem perceber se Nuno disse mais alguma coisa sobre o assunto, é fácil discordar. O que Nuno disse é que não há abordagens diferentes em casa e fora? Que não há características diferentes? Que são evidentes as dificuldades da equipa em casa?  Não acredito. Penso que disse que, mais importante do que estar a pensar na importância do adversário que vem jogar a Vila do Conde, é pensar no Rio Ave. Se foi isso, concordo.

Sábado sem vento mas como vai estar o relvado?

A próposito disto, mais que o vento, a chuva que tem caído (ainda esta manhã foram pelo menos duas cargas das grandes) pode ter feito alguns estragos no relvado. Mas vamos vencer, seja contra ventos ou contra marés!

Não dá na tv?

O que faz um Gil que não está em Vila do Conde e que não pode ir ao estádio ver o seu Rio Ave contra o Gil de Barcelos? Amua! Nem na tv...

Não me falhes, Paulo Vidal! Quero ouvir o relato pela internet!

E de Esmael? Marcou

Marcou ontem pelo APOEL para a Liga Europa, mas o golo não foi suficiente para evitar a derrota.
A época não lhe tem estado a correr tão bem como nas terras altas da Escócia (em 12 jogos, quatro golos, curiosamente três deles em jogos internacionais).

Balanço da primeira volta dos juniores

Desta primeira volta do nacional de juniores ficam essencialmente duas notas:
- uma grande irregularidade de resultados, que teve como consequência a classificação abaixo do que se seria de esperar e alguma desilusão;
- uma grande rotação de jogadores, que só estabilizou nos últimos três jogos. A justificação terá a ver com o facto de poucos jogadores terem transitado da época passada e de, em consequência, muitos terem chegado. Analisando o último onze, apenas três jogadores são da temporada anterior (Neiva, dos juvenis, Silvério e Monte, curiosamente os três da defesa). Além disso, Pedro Cunha foi experimentando, sobretudo nas cinco primeiras jornadas, inúmeros jogadores. Compreende-se que o míster diga que nos últimos três jogos conseguiu “consolidar a equipa inicial” e afirma que “90% da estrutura da equipa está criada”.

Amanhã começa a segunda volta do nacional de juniores.
Nesta altura, o mais importante é isto: «a ambição da equipa é “ficar nos quatro primeiros lugares da classificação”»

Nuno: bem dito!

«É importante que estas crianças de Vila do Conde comecem a sentir o Rio Ave. O crescimento do clube também passa por isso", afirmou Nuno Espírito Santo.

24.10.13

Evandro: aquele abraço


O vilacondense do Sertanense

Lembro-me bem de António, um júnior que fez a nossa formação e que ainda andou pelo menos dois anos na equipa principal (por estas contas, fez três jogos). Joga agora no Sertanense.

Treinador do Gil Vicente está a fazer "bluff"

«Um ponto será positivo»

Mais parvo é dizer que «valorizou precisamente o recinto da partida, porque, na sua opinião, «aquele estádio tem a sua especificidade, como a questão do vento, que condiciona muito e, por isso, é favorável a quem convive diariamente com isso», frisando que o Gil Vicente tem de se adaptar»

(A previsão para sábado é de sol e sem vento!!!)

Taça de Portugal: Rio Ave - Sertanense

(informação atualizada e corrigida)

Comentário: Tivemos sorte no sorteio: Havia apenas meia dúzia de equipas do CNS e saiu-nos uma (depois do Esperança de Lagos). Ainda por cima em Vila do Conde.
Com Benfica ou Sporting e FC Porto ou Guimarães fora da Taça, talvez fique mais forte a ambição de chegar à final.
Que os jogadores tenham isso em mente no dia 9 de novembro, quando recebermos a equipa da Sertã.

ATualizo: as televisões, que estavam em direto, deram o Penafiel-Rio Ave, mas estavam enganadas. Assim foi bem melhor!

Evandro regressa

Evandro está em Vila do Conde, onde veio passar algumas semanas.
Logo é o convidado de Paulo Vidal no Memórias Vivas, depois das 18h00 e sábado, durante o jogo, poderá haver uma surpresa.
É mesmo uma memória muito viva nos Rioavistas, Evandro!

Roderick com Marcelo?

O JN de ontem dava conta que Roderick seria o principal candidato a jogar ao lado de Marcelo, por causa da lesão de Rodriguez.
Com Brito (foram muitos anos...) era mais fácil, mas se começo a conhecer Nuno, isso seria surpreendente.
Todos os sinais dados esta época apontam para Vilas Boas.

Dá que pensar?

Narrador: a 'estória' passa-se em frente ao computador; o filho acaba de ler no computador do pai que o treinador do Rio Ave vai fazer uma visita e dar uma aula na Escola dos Correios.
Filho: pai, posso mudar para a Escola dos Correios?
Pai: o quê?
Filho: se posso mudar para a Escola dos Correios?
Pai: mas porquê?
Filho: os meus amigos que andam na Escola dos Correios já tiveram várias vezes jogadores do Rio Ave lá e eu na minha escola não tive ninguém.
Pai: vai mas é comer a sopa, antes que te dê dois...
Narrador: o pai despachou o miúdo, mas foi ver à net e encontrou isto, e isto, e isto. E parou de procurar.

23.10.13

Sábado: Jogo de futsal antecipado para as 16h

Faz todo o sentido, depois do adiamento do jogo com o Gil Vicente para as 18h.

Muito bem apanhado!

(via Facebook do Rio Ave; uma ótima ideia, brincando com o adversário de sábado e com o nome de um dos patrocinadores já habituais do nosso Clube; se os jogadores estiverem tão inspirados como esta ideia, frente ao Gil Vicente, teremos goleada!)

Da equipa de futsal

Pela primeira vez em muito tempo não há qualquer jogador do Rio Ave chamado à seleção nacional.
Cardinal já lá vai, mas quer Vítor Hugo quer Fábio Lima têm sido chamados com alguma regularidade (mais este do que aquele).
Agora Jorge Brás deixou os jogadores do Rio Ave de fora.
Também o selecionador faz uma avaliação menos positiva do momento da equipa? Ou é apenas por estarmos mal classificados (face à época passada) e o selecionador está a agir mal?

Paulo Henrique, lembram-se?

Paulo Henrique esteve a treinar na pré-época, mas acabou por ir embora, sabe-se agora porque chumbou nos testes médicos.

A equipa tem treinado no sintético

As preocupações de Nuno sobre a ausência de um segundo relvado, expressas nesta notícia de hoje do Record: «Com a receção ao Gil Vicente na linha do horizonte, Nuno Espírito Santo viu-se obrigado ontem, uma vez mais, a levar os jogadores para o campo sintético. Uma medida de recurso que se está a tornar recorrente e que começa a causar preocupação face à prioridade assumida internamente de melhorar os resultados nos Arcos. Passo essencial para ser reforçada a empatia com os adeptos.»

Na notícia também se aborda uma questão que aqui foi levantada: «A questão é que, tendo colhido compreensão dos responsáveis do clube para as dificuldades na gestão dos espaços de treino na época passada, o técnico escutou igualmente promessas de que, esta temporada, o cenário seria alterado. Em junho, de facto, a Câmara Municipal de Vila do Conde aprovou o projeto da nova cidade desportiva do RioAve, uma intervenção profunda que permitiria melhorar as condições logísticas e de treino em todos os escalões. Todavia, após a divulgação oficial do arranque das obras, em agosto, mais nada aconteceu».

E uma última nota ainda tirada da notícia: «Face à perspetiva de um inverno chuvoso, a preocupação de Nuno Espírito Santo, de 39 anos, é natural. Os vila-condenses começam a ficar em clara desvantagem em relação aos seus principais rivais num capítulo essencial para a preparação de uma equipa profissional com aspirações»

A análise de Rui Rodrigues ao momento do Rio Ave

Depois de ontem aqui termos trazido a opinião de Duarte Leite de Sá, recuperamos agora a que Rui Rodrigues deixou no último Jornal Vilacondense (9/10).
Diz o Rui:
«Para mim ganha vida de novo o 1x4x3x3, com Wakaso a 6, Tarantini a 8 e Braga a 10. A posse necessita deste upgrade de intensidade tática/física. Esta vertente melhoraria o posicionamento e a relação entre o meio-campo e o ataque (...) tenho a certeza que este Rio Ave pode e deve ser uma equipa de contra-ataque, para fugir e matar aqueles jogos ditos equilibrados. Defendo por isso a mudança de desenho do meio campo de 2x1 para 1x2, um pivô e dois interiores subidos, melhorar o início de construção de jogo e criar mais linhas de passe e espaços para desenvolver os processos ofensivos».

(Juniores 11j) Da derrota em Chaves

O Rio Ave alinhou com:
Ruben Alfaiate, Neiva, Silvério, Monte, Raúl Tavares, Abalo, Tiago Esgaio (Tiago Abreu, 87'), Jean, Rafa (Fernando 87'), Touré e Iuri Gomes (Leo aos 77').

Ou seja, relativamente à vitória sobre o Varzim, a mesma defesa, o mesmo meio campo mas no ataque entrou Iuri Gomes para o lugar que foi de Fernando.
O Rio Ave termina a primeira volta com quatro vitórias, três empates e quatro derrotas.
Nos próximos dias, faremos um texto de balanço.

22.10.13

Jogo com o Gil Vicente alterado para as 18 horas

Falta saber se o futsal também será alterado, para não coincidir.

(o jogo com o Estoril também foi alterado para domingo dia 24 de novembro às 15 horas, na Sportv)

Taça, antes e depois. E agora?

Há um ano Nuno foi muito criticado por ter chamado ao jogo de Arouca alguns suplentes.
E os resultados foram maus.
Agora Nuno também deu oportunidade a cinco ou seis (dependendo de como virmos Roderick) jogadores que habitualmente não são os titulares.
E as coisas correram bem.
Eu, que não o critiquei há um ano, só posso compreender a opção feita agora

Jogos casa e fora: o factor Diego Lopes

Curiosa análise de Duarte Leite Sá, no Terras do Ave da semana passada.
«(...) porque nos parece que há um jogador mais responsável do que qualquer um dos outros pelo facto de o Rio Ave conseguir melhores resultados e exibições fora do que em casa esse jogador é Diego Lopes.
Diego, quando recebe a bola de um dos outros médios, normalmente faz uma de duas coisas, ou arranca com ela em velocidade em direção à área do adversário, recusando-se a jogá-la com os outros médios, ou entrega-a de imediato a um dos avançados e corre em direção à baliza contrária.
Em qualquer um dos casos, quando a equipa joga em casa, este comportamento de Diego faz com que, quando a bola chega a zonas de finalizalição, o Rio Ave disponha de poucos jogadores nessa zona e a equipa tenha dificuldades em finalizar e quando a bola é afastada pelos defensores adversários os outros dois médios do Rio Ave ainda estejam longe da área e a bola acabe por ficar quase sempre na posse do adversário.
Fora de casa, a situação é diferente, porque aí a velocidade de Diego põe na transição ofensiva acaba por ser muito importante na medida em que impede o adversário de se organizar defensivamente.»
Ou seja, em casa o Rio Ave não deveria jogar com o Diego Lopes?


O adeus de Mário Almeida

Mário Almeida despede-se hoje amanhã de presidente da Câmara de Vila do Conde.
A generalidade dos Rioavistas - independentemente das convicções ideológicas - concordará que nestes anos, Almeida muito fez, dentro do que estava ao seu alcance, para elevar o Clube.
E o Clube, nestes 39 anos, melhorou muito - não apenas pelo que fez Mário Almeida, como é evidente, mas não podemos nem devemos ignorar.
O que penso escrevi-o aqui - e até acho que o Rio Ave poderia ter promovido uma homenagem, à altura do que está em causa.


21.10.13

Ilações a tirar do jogo da Taça

Nuno, sábado, vai voltar ao onze habitual (o que significa a saída de Nuno Lopes e de Tiago Pinto, por exemplo).
Mas como Rodriguez ainda não está recuperado, é altamente provável que Vilas Boas faça companhia a Marcelo.
Outras questões:
- Wakaso ou Roderick? Não me espantaria a aposta continuada em Roderick;
- Braga ou Del Valle? Del Valle não correspondeu, Nuno não gosta muito de mudar, pelo que provavelmente teremos Braga de novo. Ou Renato Santos?

Está dado o mote para sábado! E mainada!


Ainda da vitória de ontem

Algumas notas:
- Ukra foi o melhor elemento em campo, o que confirma a recuperação de forma já evidenciada antes;
- Dos três golos, nenhum foi marcado pelo ataque (dois pela defesa, Nuno Lopes e Vilas Boas, e um pelo meio campo, Tarantini).
- Del Valle parece ter desperdiçado a oportunidade que Nuno lhe deu; haverá outros jogadores na equipa a precisar de oportunidades;
- Estreou-se esta época: Ederson; do plantel principal, além dos dois lesionados de longa duração (Nivaldo e Filipe Augusto), faltam Jeferson e Júlio Alves;
Nuno no final: «Não digo que foi uma vitória fácil, porque isso seria um desrespeito pelos jogadores do Esperança de Lagos, que se bateram bem. Tínhamos consciência de que íamos enfrentar um adversário difícil, mas tivemos a felicidade de marcar cedo, o que nos deu mais tranquilidade. Fizemos o resultado na primeira parte, com bom futebol. Foi pena não termos concretizado as muitas oportunidades da segunda parte.

20.10.13

Juniores perdem 1 - 0 em Chaves

Taça de Portugal: Rio Ave segue em frente

3 - 0 em Lagos.

Taça de Portugal: 3-0 ao intervalo

Rio Ave com Ederson,  Nuno Lopes,  Marcelo, Vilas Boas e Tiago Pinto. Wakaso, Tarantini e Diego Lopes. Del Valle, Hassan e Ukra.
Tarantini,  Vilas Boas e Nuno Lopes marcaram num jogo que parece estar a ser fácil.

Sábado, dose dupla outra vez

às 16h00, 3-0 frente ao Gil Vicente;
às 18h00, 5-2 frente ao Fundão (futsal);
(os juniores jogam às três da tarde, mas em Vizela...)

19.10.13

Futsal: vitória 4-2 em Gaia (ATUAL.)

A vitória de que a equipa precisava.

Atualizado: Fábio Lima (x2), Formiga e Israel fizeram o resultado. Preto estreou-se.
O Rio Ave esteve sempre na frente, o Módicus nunca empatou e, quando arriscou o 5x4, Fábio Lima fez o quarto golo, mesmo a terminar.
De acordo com o «site» do Módicus, resultado justo.

16 anos depois, aquela vitória na Póvoa

Faz hoje 16 anos que o Rio Ave foi ganhar ao Varzim por 3-1, com uma memorável exibição de Dibo! Emanuel, Quinzinho, Luís Coentrão e Tó Luís fizeram o resto; o golo do Varzim foi auto-golo de Marcos; Jorge Coroado não viu um penalti a nosso favor).

Não foi a última vitória do Rio Ave na Póvoa (em 2007 fomos ganhar 3-0, numa grande exibição de Fábio Coentrão!) mas desde 2008 que não nos encontramos.
Quando voltará a acontecer?

(Taça de Portugal) Convocatória sem surpresas (Edimar e Braga ficam)

Nuno vai fazer embarcar 18 para o autocarro:
Guarda Redes: Salin e Ederson;
Defesas: Lionn, Nuno Lopes, Tiago Pinto, Marcelo, Jeferson, André Vilas Boas e Roderick;
Médios: Wakaso, Luís Gustavo, Tarantini e Diego;
Avançados: Renato Santos, Del Valle, Ukra, Sandro Lima e Hassan.

Notas: O Rio Ave apresenta-se mesmo na máxima força. Nuno não facilitou.
Ainda assim, Edimar fica (para Tiago Pinto jogar?), Jeferson foi pela primeira vez convocado, Júlio Alves continua de fora; Braga também fica em casa.
Ou seja, o Rio Ave vai ter um lado esquerdo novo.

Futsal: saiu Teixeira, entra "Preto"

Já se sabia que o Rio Ave tinha contratado um jogador, mas não se sabia que tinha sido «à custa» de João Teixeira, que «saiu do clube por mutuo acordo com a direção do Rio Ave FC». Eu já tinha estranhado o apagamento do jogador. É a segunda vez que Teixeira sai do Rio Ave sem que perceba muito bem porquê.

Sobre "Preto": «o técnico rioavista elogia o jogador ex-Freixieiro e espera que seja uma mais valia para o plantel. “Acima de tudo tem características que nenhum jogador do plantel tem. É um jogador que não está habituado a jogar na primeira divisão, mas depois da saída do Teixeira e dentro do nosso orçamento, procuramos reforçar este sector mais débil que é a posição de pivot. É um bom jogador e espero que traga mais capacidade se segurar a bola na linha da frente”, afirmou Raúl Moreira»

Preto já será opção para logo?

18.10.13

Lembram-se do Rui?

Disto, lembram-se?
Pois o Rio Ave (via 'site') entrevistou o Rui!
(A da galinha é hilariante, aconselho a leitura...)

Luís Gustavo quer jogar a trinco

Luís Gustavo fala hoje no Record sobre a experiência em Vila do Conde e diz uma coisa que me parece surpreendente - apenas por nunca o vi jogar até chegar ao Rio Ave: que joga no meio campo, mas numa área mais recuada: «“No Barcelona atuava na posição de trinco. Como o Rio Ave utiliza habitualmente dois médios defensivos, tenho de trabalhar para entrar no esquema da equipa, embora preferencialmente goste mais de jogar no lado esquerdo do miolo»

Algumas notas:
- sempre pensei em Luís Gustavo como possível substituto de Diego Lopes. Isto significa que não outro jogador a fazer de '10' (embora possa haver adaptações, parece-me uma lacuna).
- Para aqueles dois lugares no meio campo há Wakaso, Júlio Alves, Vilas Boas, Roderick, Tarantini e Luís Gustavo. Seis jogadores para dois lugares. Nuno apostou em Wakaso, mais recentemente em Roderick. Luís Gustavo será o suplente de Tarantini?

Olhar para os outros e...

De vez em quando, quando vejo que outros clubes estão a fazer algo que deveria merecer a nossa atenção, cito exemplos alheios. E já o fiz com o Sporting, com o Paços de Ferreira ou com o Gil Vicente.
E por falar em...  «Os sócios do Gil Vicente esta quinta-feira reunidos em Assembleia Geral aprovaram por maioria o relatório e contas relativo à época de 2012/13, com um prejuízo de 317 mil euros. Na reunião magna, realizada no auditório do Estádio Cidade de Barcelos, estiveram presentes 120 sócios, (...) "O clube teve uma quebra de receitas na ordem dos 300 mil euros e, mesmo assim, temos reduzido o passivo em um milhão de euros em relação ao exercício anterior, cifrando-se atualmente em 4,7 milhões de euros", afirmou Fiúza. O dirigente acrescentou que o Gil Vicente, com um orçamento de três milhões de euros, "é um clube pobre", e sublinhou que "dos 5.053 sócios mais de metade não paga as quotas"»

Algumas notas:
- olhamos para o Gil Vicente e só nos podemos sentir confortáveis com as nossas contas (sem prejuízos e sem passivo, como tem sido anunciado pela Direção);
- 4,7 milhões de passivo, para um clube como o Gil Vicente, parece-me demasiado...
- mais de metade dos sócios deixou de pagar quotas (como será connosco?)
- 120 sócios numa AG a meio da semana é obra!
- este foi o último orçamento do Gil Vicente antes da SDUQ; como fará a partir de agora?

Taça de Portugal: Nuno promete (alguma) rotação

«Vamos apresentar a melhor equipa, embora com algumas rotações, como é normal, nos planteis”. Cautelas são necessárias, até porque o Rio Ave, como justifica Nuno Espírito Santo, “espera ir o mais longe possível, quer na Taça de Portugal, quer na Taça da Liga”, disse»

Um jogo apenas

Confiando no que nos diz o zerozero.pt, só uma vez defrontámos o Esperança de Lagos, nosso adversário deste fim de semana. Também foi para a Taça de Portugal já na longinqua época 1979/80. Vencemos por 4-0.

Não consegui encontrar a ficha de jogo online, mas nessa equipa jogavam, entre outros, Trindade, Washington, o capitão Duarte, Mário Reis, Quim, Paquito e Álvaro Soares. Quanto a treinador, bem... foram 4 nessa época, Ruben Garcia, Mário Reis que era treinador-jogador, Rodrigues Dias e Cabrita que terminou a época. Quem nos levou a jogo, sem a respectiva ficha, não sei.

ATUALizo (JPM): foi em Vila do Conde, o que significa que nunca jogámos em Lagos; mais, tanto quanto se sabe, o Rio Ave será a primeira equipa do principal campeonato a jogar naquele campo.

Da caderneta de cromos desta época (completa...*)

(* falta o emblema, que fica para mostrar na próxima semana...)

JVC apela aos sócios para mais incentivo

«(...) se interiormente há algo a analisar e provavelmente a alterar [relacionado com o facto de o Rio Ave ter melhores resultados fora de Vila do Conde], também os sócios poderão ajudar com um maior incentivo que contribua para desanuviar o ambiente e retirar pressão sobre a equipa, assim criando condições para melhores resultados».
(qualquer Rioavista subscreve esta ideia, que aqui se reproduz)

17.10.13

Roderick, Kelvin, o Benfica e o Rio Ave

Roderick Miranda dá uma entrevista de uma página ao Record de hoje.
Embora a entrevista, maioritariamente, seja dedicada à sua passagem pelo Benfica, vale a pena, até porque é raro um jogador do Rio Ave ter uma página.
Duas ideias:
- Roderick confirma que saiu do Benfica não só mas sobretudo por causa do lance que ditou a vitória do FC Porto frente ao Benfica na época passada (golo de Kelvin)

(um lance em que Roderick denota alguma apatia)
- Diz que tanto joga a trinco como a central, mas que se sente mais confortável a central;
(Confirma-se o contrato por cinco anos com o Rio Ave)

Eu quero ser aluno da Escola dos Correios...

Dia 24, de hoje a oito, Nuno vai dar uma aula física [física? será mesmo assim?] aos alunos da Escola Básica dos Correios, diz o Record de hoje.

(É a primeira vez que tal acontece, desde que o Rio Ave iniciou - irregularmente, diga-se - um processo de aproximação às escolas; nem Brito foi...)

Descubra as diferenças sobre o que aconteceu no sábado de manhã

Site do Rio Ave: «A equipa do Rio Ave treinou na manhã de hoje. A paragem no campeonato não altera a rotina do plantel que continua a fazer a preparação para o próximo jogo, frente ao Esperança de Lagos para a Taça de Portugal»;

JVC desta semana: «perante dificuldades em encontrar um clube disponível face a vários dos campeonatos não terem sido interrompidos, o treinador Nuno Espírito Santos optou por um jogo-treino com os juniores»;

(seriam possíveis várias considerações, que vou evitar fazer nesta altura, mas fico-me por esta: excluo a hipótese de distração por parte quem quem fez a informação no 'site', pelo que resta a alternativa de ter sido propositado omitir a informação; Porquê? Já agora: nenhum jornal desportivo noticiou o jogo-treino, o que não deixa de relevar sobre a qualidade da informação que os jornais trazem, quase só pendurados no site ou nas estatísticas) 

Futsal: Rio Ave contrata pivô

Via «site» ficamos a saber que o Rio Ave contratou um jogador.
Diz-se que é um pivô e deduz-se que vem para marcar golos, a maior lacuna da equipa nesta altura.
Esperemos que "Preto" seja o jogador que o Rio Ave precisa, que possa fazer a diferença.

Já que se perspectivam mudanças,

por que não experimentar na Taça de Portugal um novo modelo táctico?

Por princípio, não sou adepto de grandes mudanças, acho que mudar um jogador por sector é a melhor maneira de dar oportunidade a quem tem jogado menos sem desvirtuar a equipa. As rotinas já criadas não se perdem tanto e os novos elementos integram-se melhor. Mas acho que os jogos de Taça, sem promover demasiadas alterações no onze, podem servir para testar soluções tácticas alternativas. Estará o treinador disposto a isso, não esquecendo de lembrar sempre aos jogadores que os jogos da Taça são sempre para levar a sério, mesmo que o adversário seja, em teoria, mais fraco?

(é sabido que eu não gosto da Taça, mas uma coisa é perder com quem nos bate com mérito, outra é perder por sobranceria e falta de atitude)

16.10.13

Proibido fazer faltas

Já se sabe que Nuno não gosta que os seus jogadores façam faltas.
E a equipa tem isso bem apreendido.
Até ao momento, apenas o Arouca fez menos falta do que nós (89 para eles, 92 para nós).
As equipas melhor classificadas têm todas mais de 100 faltas acumuladas, mas o Setúbal tem 121 e está o fim...
Consequência direta: apenas o Sporting tem menos cartões do que nós, 12 para eles, 14 amarelos para nós e zero vermelhos.

(por curiosidade: só a Académica sofreu mais faltas do que o Rio Ave, 128 para eles, 120 para nós. Haverá uma explicação ou nem por isso?)

Rematamos pouco à baliza

Oito equipas remataram, até ao momento, mais do que nós.
Há portanto sete que remataram menos.
Fizemos 66 remates, contra os 104 do Braga (máximo) ou os 45 do Olhanense (mínimo)

Nelson Monte, contrato profissional já (ATUAL)

Nélson Monte tem vindo a afirmar-se na equipa junior, sendo titular indiscutivel (e, além disso, também marca!).
Vilacondense, Monte é um jogador que - certamente - nos interessa manter. Para jogar na equipa principal e/ou para vender como ativo.
Impõe-se, portanto, propor-lhe um contrato profissional, muito mais agora que fez os três jogos da seleção de sub20 a titular (e com grandes elogios). Colocá-lo a treinar com a equipa principal, a partir de janeiro, seria outra medida motivadora
(esperemos, do nosso ponto de vista, que não aconteça com Monte aquilo que aconteceu com Nuno Santos: deu nas vistas no Rio Ave, foi para o Benfica - onde é o melhor elemento da equipa junior)

ATUALizo com declarações do jogador ao site do Rio Ave: «O que quero concretizar mais depressa é chegar à equipa principal do Rio Ave. Cada vez mais, por ser uma equipa afirmada na primeira divisão e por se estar a tornar um grande clube, todos temos esse sonho»

O único fracasso de Nuno

Na primeira época em que treinou o Rio Ave, e analisando as três competições, Nuno superou os objetivos em duas (Campeonato e Taça da Liga) e fracassou na restante, a Taça de Portugal (fomos eliminados na segunda jornada em que participamos, com o Arouca).
Por isso acredito que Nuno vai encarar o jogo de Lagos com mais cuidado ainda do que o habitual.
Estamos perante um adversário da terceira divisão (CNS), mas isso não pode funcionar como desmotivação para os jogadores - como terá acontecido em Arouca.
Dito por outras palavras: o Rio Ave não pode cometer o mesmo erro duas vezes!

15.10.13

(Dos nossos emprestados no CNS 6ªj) Igor continua a marcar

Equipa em destaque neste fim de semana: Tirsense. Ganhou na Lixa (3-2) com André Dias (defesa-esquerdo) e Zé Diogo a titulares e Gilmar a entrar na segunda parte para o lugar de Diogo.
Já o Ribeirão empatou, com Mendes  e Igor a titulares. Igor marcou o golo do empate.

Finalmente o Gondomar, que perdeu no Bessa, com Paulo Jorge, Baldaia e André Costa a titulares.[Júlio, que foi nosso jogador nos juniores,  foi suplente]

Por na agenda: os próximos jogos

8ª jornada 26/10 (Sábado) 16h00 Rio Ave FC - Gil Vicente
9ª jornada 3/11 (Domingo) 19h45 SPORT TV Braga - Rio Ave FC
(a 9/11 haverá Taça de Portugal e no fim de semana seguinte Seleção)10ª jornada 24/11 (Domingo) 17h45 SPORT TV Rio Ave FC - Estoril
11ª jornada 1/12 (Domingo) 17h45 SPORT TV Rio Ave FC - Benfica
12ª jornada 8/12 (Domingo) 16h00 Olhanense - Rio Ave FC
13ª jornada 15/12 (Domingo) 20h15 SPORT TV Rio Ave FC - Porto
14ª jornada 21/12 (Sábado) 16h00 Paços de Ferreira - Rio Ave FC
(

Os discos pedidos continuam...

Agora é Jeferson, que se junta a uma lista grande de titulares para Lagos...
(para mim já será surpreendente se Nuno convocar Jeferson)

João Eusébio e o Chaves: dava um livro!

O que aconteceu esta época a João Eusébio no Chaves dava um livro... trágico-cómico!
Começou por suceder a João Pinto, que subiu de divisão, sem o apoio dos adeptos e da própria direção do Clube, apenas suportado pelo investidor da SAD (que é o pai do presidente do clube...).
Lembro-me de um comunicado da direção do Chaves a dizer que Eusébio era uma escolha do investidor (e, portanto, não da direção...).
Quando os resultados começaram a não ser os que os adeptos queriam, sucediam-se os lenços brancos nos jogos. E antes deste despedimento ainda houve uma petição, promovida pelos sócios, contra João Eusébio, sempre defendido apenas pelo investidor da SAD.
Até hoje!
(Penso que Eusébio não foi inteligente na forma como geriu este caso: se a saída era inevitável, não poderia ter saído pelo seu pé?)

Curiosidade: A última derrota do Chaves foi por 2-0 frente ao União da Madeira. E, assim, esta é já a segunda vez que João Eusébio é dispensado do Chaves após uma derrota com um clube madeirense, um facto que já tinha acontecido após ter perdido com o Camacha (2011). Treinador do Camacha e agora do União: José Barros.

Está difícil ter de escrever uma peça todos os dias sobre o Rio Ave...

«Roderick Miranda e Diego Lopes, dois futebolistas que integram esta temporada o xadrez da equipa de Nuno Espírito Santo, não foram esquecidos pelos responsáveis do clube da Luz, que tem direito de preferência sobre ambos»

Futsal: oito primeiros

Se o campeonato acabasse agora, o Rio Ave descia de divisão, o que seria um choque enorme para quem fez o que o Rio Ave fez na época passada.
Mas também para quem fez o que o Rio Ave nas segundas partes frente ao Sporting e ao Benfica, já nesta época.
Em face disso, fará sentido pensar repensar os objetivos? Apenas a manutenção ou os 8 primeiros?
Quem tem Vítor Hugo, quem tem Formiga, quem tem Fábio Lima - nomeadamente - não pode pensar em menos do que os oito primeiros!
(mas já se percebeu que vai ser uma luta dura!)
O que há a fazer, como Rioavistas, é manter e dar toda a confiança a quem já mostrou que pode e sabe fazer o suficiente para termos um campeonato tranquilo, ainda que não nos cinco primeiros, este sábado já em Gaia.

14.10.13

O que faz o nosso Tomás?

Quem, como eu, vai espreitando regularmente o site d'A Bola reparou já no aumento de notícias sobre o desporto que se pratica nos PALOP. Em Angola joga o nosso melhor marcador de sempre na 1ª liga, João Tomás. No mesmo clube de Tomás há ainda 2 ex-jogadores nossos, Wires e Valdir que teve uma passagem muito infeliz pelo Rio Ave. O Recreativo de Líbolo é, parece-me, o clube mais rioavista de Angola.



Olhando para o que os 3 têm feito, não há muito a destacar. O super-goleador Tomás tem tido uma época de azares, leva 9 jogos, mas apenas um golo marcado. Valdir e Wires não têm muito tempo de utilização. As comparações valem o que valem quando falamos de campeonatos e países tão distintos, mas o Tomás português era muito melhor que o Tomás angolano. As saudades que Tomás me deixou fazem-me pensar no que ainda seria capaz de fazer se estivesse a jogar no Rio Ave em 2013/2014.

(Taça) Ederson será novidade

Os nomes de jogadores que poderão ser titulares em Lagos continuam a desfilar pela imprensa, mas parece-me que apenas um está certo: Ederson (se Nuno repetir o que fez na época passada).

PS - Em A Bola de hoje : «Ederson, Nuno Lopes, Tiago Pinto, Luís Gustavo e Júlio Alves são naturais pretendentes à titularidade». Não é de mais?
Aqui fica o meu palpite
Ederson, Nuno Lopes, Marcelo, Vilas Boas e Edimar; Wakaso/Roderick, Tarantini e Luís Gustavo; Ukra, Sandro Lima e Del Valle (ou Ukra, Del Valle e Renato Santos)
Não custa nada...

Para todos os que - infelizmente - defendem que com a SDUQ não é preciso divulgar as contas

Sou um chato, eu sei, mas há coisas que não engulo facilmente.
Uma delas é que, com a SDUQ as contas deixaram de ser públicas.
Para todos os defendem disso, aqui fica o exemplo do Braga (que não está cotado):
Depois disto, de que exemplos mais precisamos?

13 de outubro x 2

Passou-me no fim de semana, mas vai sempre a tempo.
Sábado, 13 de outubro, é uma data que os Rioavistas guardam com sentimentos contraditórios:
- foi a 13 de outubro de 1984 que inaugurámos o nosso Estádio (que não sendo, sobretudo hoje, aquele que precisamos e desejamos, foi uma evolução);
- foi a 13 de outubro de 1996 que o Rio Ave jogou em Faro, num dos jogos mais polémicos de que há memória no futebol português, por causa da arbitragem de Jorge Coroado.

13.10.13

Do fim de semana

Das equipas sem jogos da Taça da Liga ou sem equipas B, Paços de Ferreira e Belenenses aproveitaram para jogar com as equipas juniores (cujos campeonatos estão parados).
O Rio Ave, afinal, também o fez ontem de manhã.

(6j Futsal) Ainda o empate de ontem (ATUALizadox2)

Em complemento a isto, aqui ficam mais algumas notas:
- nenhum jogador da Académica seria titular no Rio Ave, para se perceber que temos melhores jogadores e que não foi o adversário que foi superior (embora seja uma equipa com algumas qualidades, mas muitas limitações técnicas); ATUALizo a 14/10: chamaram-me a atenção para o facto de haver dois jogadores na Académica de muita qualidade, os brasileiros Eskerda e Jander. O primeiro jogou na Rússia na época passada. E eu aceito o reparo, porque basicamente conheço os jogadores do Rio Ave. Mas insisto que, pelo que vi no sábado, nenhum jogador da Académica se destacou ou impressionou.
- outra coisa, ligeiramente diferente, é se o cinco-base do Rio Ave (Vítor Hugo, Israel, Coelho, Formiga e Fábio Lima)  está em condições, neste momento, de o ser. Eu, que não treino a equipa e só vi quatro dos seis jogos, acho que Coelho, por exemplo, esteve muito abaixo do que se pode exigir, que Israel também não esteve bem e que até Formiga - o melhor jogador da equipa, do meu ponto de vista, ao lado de Vítor Hugo - falhou golos e passes que não costuma falhar.
- é fácil dizer que a equipa atravessa uma crise (psicológica) de confiança, mas (ainda?) não tenho a certeza de que assim seja. Certo é que a equipa revelou sintomas que podem apontar para essa crise, sobretudo na primeira parte: chegou por sistema mais tarde à bola do que o adversário, falhou demasiados passes (e várias combinações de ataque), alguns jogadores evitavam rematar à baliza e não houve criatividade para resolver os problemas. ATUALizo: no final do jogo, Raul Moreira confirmou isso, que há uma crise de confiança na equipa, que os jogadores estão com medo de arriscar.
- o melhor jogador em campo foi o jovem Tiaguinho. Por ter marcado o golo? Não apenas. Sobretudo porque foi o que mais vezes tentou rematar, não sentindo o 'receio' que alguns colegas, muito mais experientes, estavam a demonstrar.
- Raul Moreira usou apenas oito jogadores (os cinco, mais Tiaguinho, Emerson [com dores num joelho, pareceu] e Renato Pontes), o que me leva a pensar que não vê - não viu - nos restantes verdadeiras alternativas para 'ganhar o jogo'.
- se a minha memória não me atraiçoa, é a primeira vez que Raul Moreira enfrenta uma crise (pelo menos de resultados) desde que orienta o Rio Ave nestes últimos anos. A equipa sente-se órfã de Cardinal? Os jogadores não acreditam em si próprios? Tem a palavra o míster, que vai ter de liderar a recuperação.
PS - lá estava, na bancada, com a mulher o nosso amigo Rioavista Joaquim Vareiro, antes de partir para o mar.

Ronny ultrapassou o problema nos rins

O boletim clínico (11/10) diz que Ronn Silva vai iniciar reabilitação funcional de baixa intensidade, mas A Bola de ontem dava conta que o problema está ultrapassado e que vai começar, agora, a recuperar a forma.

12.10.13

(Futsal 6j) empate a 1-1

A segunda parte foi bem melhor em garra e oportunidades de perigo, mas não foi suficiente para ganhar. O Rio Ave dominou esta segunda parte, Vítor Hugo quase não tocou na bola mas algum azar (duas bolas nos ferros) e uma excelente exibição do guarda-redes da Académica impediram os três pontos. Também se nota alguma intranquilidade na equipa e percebe-se que alguns jogadores estão  muito abaixo do que se pode desejar e exigir.

(Futsal 6j) Rio Ave perde 1-0 ao intervalo

Jogo muito abaixo daquilo que o Rio Ave sabe, e já mostrou esta época, fazer.
Muitos passes falhados, alguma lentidão a chegar à bola e muito poucas oportunidades de golo.
Tivemos três lances, os mesmos da Académica, só que eles marcaram um e nos não...
É preciso outra atitude na segunda parte.

Um reparo

Veio noticiado, em mais do que um jornal, ao longo da semana, que o Rio Ave estava a equacionar fazer um jogo-treino durante este fim de semana.
Afinal não houve nem vai haver jogo, segundo diz o Record.
Posso estar a ver mal, mas parece-me que estas coisas são um pouco amadoras: ou o Clube vai fazer um jogo e anuncia-o quando tiver tudo acertado ou, assim, fica a ideia de que não se encontrou quem quisesse jogar contra nós (a outra opção é afinal ter-se optado por não fazer o jogo, o que leva a perguntar porquê dizer aos jornalistas que ia acontecer?).
Não havia necessidade.

Michell, filho de Emerson, nos juniores

dois anos já tinha falado dele e volto a referir-lo porque está na equipa junior (embora ainda não se tenha estreado)
(ainda só tem 17 anos, é provavél que passe primeiro pela equipa sub18)

11.10.13

Paixão Rioavista (5)

«Joaquim Santos Vareiro, pescador natural das Caxinas, tem 58 anos e é o sócio nº 317 do Rio Ave.
Até aqui nada de anormal, mas Joaquim Vareiro não é um adepto qualquer. Em dia de jogos, e sempre que a vida profissional lhe permite, marca presença nos estádios onde joga o Rio Ave equipado a rigor, da cabeça aos pés.
Utilizando bandeiras do clube, todas unidas, usa uma indumentária original e que não passa despercebida aos olhos dos adeptos do Rio Ave e até dos adversários.
“Sou Rio Ave dos pés à cabeça, já por isso só uso coisas do Rio Ave, durante o dia e durante a noite eu ando vestido à Rio Ave. Esta vai ser a minha roupa até ao dia em que morrer”, referiu orgulhoso»
(informações retiradas do site do Rio Ave)

«Morro pelo Rio Ave»

Excelente texto publicado no 'site' do Rio Ave.
A ler com muito prazer.

PS - lembro-me de ver o sr. Joaquim nos treinos, em épocas passadas.

Futsal: Vítor Hugo quer os 3 pontos

no jogo de amanhã.
Eu, que também espero (e exijo...) isso, quero um Vítor Hugo mais concentrado do que nos Olivais.
Com um Vítor Hugo em forma vamos ganhar!

Fábio Faria recorda o dia 4 de fevereiro de 2012

"«Foi o pior dia da minha vida. Fazia o primeiro jogo pelo Rio Ave, depois de vir do Paços de Ferreira no último dia do mercado de inverno. Lembro-me que a 1.ª parte foi espetacular e na 2.ª também corria tudo bem. A dois minutos do fim, fiz uma falta sobre o avançado do Moreirense, o Cícero (…) e ao levantar-me comecei a ver tudo nublado, tudo branco», começou por recordar Fábio Faria."
Esse dia ficará na memória de muitos Rioavistas. Era o jogo de 'estreia'; dois dias antes, Fábio tinha deixado esta mensagem aos Rioavistas!

Titulares na Taça

Parece claro que Nuno fará mudanças para o jogo em Lagos.
Muitas?
Poucas?
A imprensa desportiva já começou a avançar com nomes:
Primeiro foi Nuno Lopes, agora Tiago Pinto. Quem se segue?

Da claque jovem

Em meados de setembro dei conta daquilo que me pareceu ser uma nova claque no Rio Ave - pelo menos estiveram nos jogos desse fim de semana.
Nunca mais os (ou)vi, depois disso, mas pode ser falha minha.
Entretanto encontrei esta referência, com data de 6 de setembro: «A velha guarda do nosso extinto grupo vem por este meio informar que não se venderá a qualquer tipo de proposta de baixo nível para regressar as bancadas do estádio dos Arcos. Não toleramos o facto da direcção do Rio Ave FC tenha extinto o grupo sem um único esclarecimento depois de dois anos sempre presentes na defesa do clube e da cidade de Vila do Conde. Desta vez a direcção do Rio Ave FC passado duas epocas de ter extinto o nosso grupo pretende dar apoios a um dos membros que deixou o grupo ULTRAS FURIA VERDE RIO AVE 2010 no passado quando o clube o grupo mais precisava. Jamais seremos adeptos de ocasião e aceitaremos este tipo de propostas de baixo nível»


10.10.13

Nuno Brito

Ao ler, hoje no Record, que Nuno equaciona fazer um jogo-treino no fim de semana, para compensar a falta de competição e preparar o jogo de Lagos, lembrei-me que também nestas alturas Carlos Brito fazia um jogo com a equipa de juniores.
Que se saiba, Nuno nunca o fez.
E perante esta constatação, não foi preciso perder cinco minutos para concluir que o Rio Ave não podia ter encontrado dois treinadores mais diferentes (Nuno, aliás, não gosta, por regra, de jogos-treino, tanto quanto se percebe).
O único ponto em comum entre os dois é mesmo treinarem o Rio Ave em épocas consecutivas!

JVC entusiasmado com o jogo em Coimbra

«Exibição e resultado muito positivos (exibindo-se em bom nível e vencendo com todo o mérito)», diz o JVC, acrescentando que  «o Rio Ave suplanta-se nos jogos fora, enquanto cá não corresponde aos seus próprios anseios, dos jogadores, técnicos, dirigentes e associados».
E uma frase final que retemos e que subscrevemos: «há que acreditar e apoiar a equipa para que no próximo jogo consigamos derrotar o Gil Vicente»

O novo relvado não avançou?

Depois das notícias sobre a atribuição, em junho, pela Câmara de Vila do Conde do terreno para o novo relvado e o rápido início «da construção» (estas imagens são do final de agosto), parece não ter acontecido mais nada.
Esta foto é desta semana:
(contactei o presidente Campos na manhã de quarta-feira, para saber o que se passa, mas sem sucesso)

O Rio Ave, os jogos em casa e fora e Diego Lopes

A curiosa análise de Luís Freitas Lobo, ontem em A Bola:
(não subscrevo, de uma forma geral, esta análise, mas por várias razões - a começar pelo facto de o Luís ser o melhor analista do futebol português - partilho-a com os nosso leitores)

9.10.13

Rei Ukra, líder a dobrar

Já vimos que Ukra foi o jogador mais votado da semana. Foi a sua segunda vitória numa jornada, igualando Marcelo em vitórias semanais. Mas para além de ser o mais pontuado da semana, Ukra, agora com 213 pontos, tomou de assalto a liderança da pontuação acumulada. Subiu de 5º para 1º e empurrou Marcelo para 3º lugar, uma vez que Tarantini conservou o seu 2º lugar. Edimar saiu do pódio.

Estatística: invertido o sentido de marcha

O Rio Ave vinha a descer na tabela classificativa, mas a 3ª vitória na Liga voltou a fazer-nos subir uns degraus na tabela, a repor-nos no sentido correcto. Estamos agora no 9º lugar em igualdade pontual com o Guimarães. A vantagem para os lugares de descida é agora de 5 pontos. O 3º lugar por seu turno, está apenas 4 pontos acima de nós.

Estatística: o intruso dos golos

O autogolo da nossa vitória em Coimbra, obrigou aqui a alguma ginástica na estatística. Reiner fez o favor de meter a bola na sua própria baliza e agora vai figurar entre os marcadores dos nossos golos. Continuamos assim a ter 7 golos marcados por 7 jogadores distintos. 7 golos em 7 jornadas, 1 por jogo em média. Voltamos ao verde no balanço de golos, mais 1 nos marcados que nos sofridos. Acentuou-se também a tendência de mais marcar mais golos nas 2ª partes dos jogos.

Ao efectuar o cruzamento de onde resultou o autogolo, Ukra somou a sua 2ª assistência, igualando Edimar no topo dos jogadores com mais assistências.

Estatística: a estreia de um novo onze

Depois de 4 jogos sem vitórias, Nuno decidiu escolher um novo onze inicial. Fruto das circunstâncias do jogo, Nuno foi até obrigado a uma revolução nos jogadores que acabaram por estar em campo, chegando a usar 4 centrais diferentes, tendo Roderick começado a trinco e Marcelo, que começou a central, acabou a lateral direito, por exemplo.
Foi o 3º onze diferente desta temporada, a primeira vez que tal acontece por decisão do técnico. Anteriormente Rodriguez falhara Guimarães por lesão, sendo a ida de Hassan para o banco a única alteração por opção técnica. Como não podia deixar de ser, Del Valle foi suplente utilizado pela 7ª vez consecutiva.

Ainda a metáfora com a União de Leiria

No 12º Jogador de ontem, Carlos Costa desafiou Vítor Carvalho a explicar melhor a comparação com a União de Leiria (que terá sido mal interpretada por alguns Rioavistas).
O Vítor voltou a explicar que o que pretendeu salientar era que o Rio Ave não deveria seguir esse exemplo (traduzido, de uma forma geral, no facto de haver cada vez menos sócios, apesar dos bons resultados, desportivos e financeiros), lembrando também que lançou o desafio a Carlos Costa para uma discussão no Conselho Geral sobre o assunto.

Estatística: o segredo das nossas vitórias

Interrompemos a série de jogos sem vencer. E tal como nas vitórias anteriores, vencemos sem sofrer golos. É esse o segredo: se não sofremos golos, ganhamos. Sofrendo ou empatámos ou perdemos. Foi a primeira vez que vencemos um jogo que estava empatado ao intervalo. Até agora conquistamos, grosso modo, metade dos pontos em disputa, 10 em 21 possíveis.

Jogar sem Hassan

Defendi, em devido tempo o Rio Ave nunca deveria deixar João Tomás de fora, já que, mesmo a 50%, Tomás seria sempre uma mais-valia.
Hassan, que tem tanto ou mais potencial que Tomás, quando este tinha 20 anos, não é (ainda) Tomás.
E se a equipa - como se tem visto - não lhe faz chegar a bola, que sentido faz jogar com Hassan?
Se apenas Ukra e os defesas laterais tentam (por vezes) meter a bola na área, Hassan passa ao lado do jogo. E as notas que tem tido (foi dos piores em campo nos últimos quatro jogos) penalizam-no.
Neste contexto, por exemplo, Del Valle poderia ser uma boa alternativa, já que tem características completamente diferentes.

PS - Hassan não foi à seleção do Egito, que tem um jogo decisivo com o Gana, tendo em vista o Mundial. Estava pré-convocado mas ficou de prevenção

Estatística: sobram 4 totalistas

Havia 5, mas o infortúnio de Lionn tirou-o desse rol de jogadores totalistas de minutos.

Para além do jogo com mais lesões, o de Coimbra foi também o jogo com mais amarelos para os nossos jogadores, 6 no total. No campo da disciplina, Edimar manteve-se a um amarelo de ser suspenso. Marcelo tem agora 3 e o "12º jogador de 2013/2014", Del Valle, tem 2, o que não deixa de ser curioso para quem tem uma utilização média de 12 minutos de utilização por jogo.

8.10.13

(Dos nossos emprestados no CNS 5ªj) O caso-Mendes

O Tirsense continua a ser a equipa que melhor está a aproveitar os nossos jogadores: Gilmar, Zé Diogo e André Dias foram titulares no empate em casa a zero (o Tirsense  está nos últimos lugares).
O Gondomar também empatou e contou com a colaboração de Paulo Jorge, Baldaia e André Costa, a titulares. Tiago Santos e Bahia não constam.
Finalmente o Ribeirão, que perdeu em casa 1-0 com o Joane e se afunda, depois da saída de Daniel Ramos.
Igor foi titular, Mendes suplente, Feliz (lesionado) e João Paulo não jogaram.
Uma nota particular para Mendes: como é que um jogador com o potencial de Mendes não consegue ser titular no Ribeirão? Ou está muito abaixo do que pode e sabe dar ou já se percebeu porque é que o Ribeirão está onde está!

O capitão em Coimbra

Alguns leitores contactaram-nos no sentido de saberem se tinha havido alterações na lista de capitães do Rio Ave em Coimbra, já que Marcelo aparecia com uma "braçadeira" diferente (clicar na foto seguinte para ver o detalhe).
Mas não, o capitão foi Tarantini, como a imagem deixa claro.

3ª melhor defesa

Todos nós queremos muitos golos e a equipa tem marcado poucos.
Mas também não podemos ignorar que só FC Porto e Sporting Benfica têm uma defesa menos batida.
Muito mais relevante depois das mudanças forçadas pelas lesões na semana passada.

7.10.13

A arbitragem de Bruno Paixão na sexta

(João Querido Manha, no Record de hoje)

PS - como estou sempre à espera do muito mau em Bruno Paixão, e arbitragem de sexta não foi muito má, nada escrevi. O Rio Ave não ganhou nem contra nem a favor do árbitro. Mas subscrevo algumas das palavras de João Querido Manha, a começar pelos livres marcados a torto e a direito

(5j Futsal): «erros inaceitáveis» nos Olivais

Como pôde o Rio Ave sofrer quatro golos em cinco oito minutos?
Raul Moreira responde depois das 18h na Linear.
Eu vou ouvir.
Mas desde já duas ideias do míster:
- «não podemos errar como erramos ontem, cometemos erros inaceitáveis, erros primários»
 - «falta de concentração e um bocadinho de falta de responsabilidade» 

(10j Juniores) Ainda a vitória sobre o Varzim

Rio Ave com Alfaiate, Neiva, Silvério, Monte e Raul Tavares; Abalo, Esgaio e Jean (Leo 83'); Rafa (Tiago Abreu 90), Touré e Fernando (Iuri Gomes, 60).
- Pedro Cunha repetiu o onze da semana passada, o que - penso - aconteceu pela primeira vez [por falar na 'estabilização' do onze: diz quem viu, que foi um jogo fraquinho...].
- Ou seja, ninguém se estreou;
- Compare-se com o primeiro onze desta época: da defesa para a frente, são poucas as semelhanças.

PS - pelos varzinistas jogaram dois nossos "conhecidos": os filhos de Vítor Pimenta e de Gamboa.

E aconteceu mesmo!

Era pouco provável, mas aconteceu: Vilas Boas a central e Roderick a trinco!
Depois, com a lesão de Lionn e a entrada de Wakaso, Roderick foi para defesa.
Roderick a trinco foi uma experiência de Jorge Jesus que, pelo que vi na época passada, não resultou.
Aguardarei para ver em que posição rende mais.
Mas penso que Wakaso faz melhor o lugar do que Roderik


Ukra, outra vez rei

Ukra somou 40 pontos, mais 6 (é muita fruta!) do que o segundo.
O segundo foi Tarantini, com 34, mais quatro do que cinco jogadores (Edimar, Marcelo, Roderick, Vilas Boas e Diego Lopes).
Hassan,  com 21, e Braga, com  23, foram os titulares que fizeram 90 minutos menos pontuados.

Ainda a Académica, positivo e negativo

Negativo:
- as lesões. Não digo que seja insólito, mas duas lesões em 30 minutos é azar a mais.
- a concretização. O Rio Ave teve em Coimbra 4 oportunidades claras de golo e não concretizou nenhuma. Uma das críticas que tem sido apontada à nossa equipa é a falta de criação de oportunidades. Elas surgiram, mas os nossos jogadores não as concretizaram em golos. Falta de hábito...

Positivo:
- o regresso às vitórias.
- o bom reajuste em campo da equipa face às lesões.

Um Rio Ave menos português

«Na Liga portuguesa o Benfica é o campeão dos estrangeiros, enquanto o Arouca é a equipa com mais atletas nacionais. O Rio Ave é um caso curioso, porque, depois dos crónicos candidatos ao título, é a equipa que menos aposta em portugueses»

(todos nós recordamos jogadores estrangeiros que brilharam e/ou dignificaram a nossa camisola, desde Niquinha a Isaías [Ezaías], de Nhabola a Sérgio China, para referir apenas aqueles que ficaram nos primeiros lugares da nossa votação, mas eu gostava de ver mais jogadores portugueses. Sobretudo de  Vila do Conde...)

6.10.13

(5j Futsal) Rio Ave perde 4-3

Derrota inesperada e certamente motivo de reflexão,  perante um adversário que tanto quanto se sabe é bastante mais fraco.
Foi o mesmo Rio Ave que empatou com o Sporting?  Hoje estivemos a ganhar 3-0 e perdemos 4-3!!!
Como é possível?

ATUALizo: não se pode elogiar??? Porra!

(10j Académica) Positivo/Negativo

Positivo:
- A exibição de Ukra, que dá sinais de que estará a subir de forma, ajudando decisivamente a equipa;
- A polivalência e a capacidade de sofrimento da equipa, depois de duas lesões ainda na primeira parte;
- A capacidade de superar as tais situações complicadas *;
Negativo:
- se calhar é utópico, mas todos nós gostaríamos de ver um Rio Ave personalizado, dominador, com força, em cima do adversário; parece que estamos muito longe disso, mas num instante tudo pode mudar;
- as lesões de Rodriguez e Lionn;
* durante a semana correram nos bastidores Rioavistas um ou dois rumores alegadamente sobre o assunto, a que, obviamente, não quero nem não posso dar credibilidade/espaço;