1.2.07

Estad(i)os de alma - Um bom texto, a merecer reflexão

Escrito pelo meu bom amigo varzinista Rui Silva e que aqui deixo para apreciação.

Estad(i)os de alma

Segundo Descartes, todos os seres humanos são dotados de bom senso (razão), que nascem logo com esta característica. Se em tudo o mais, isto parece verificar-se, quando o tema é “futebol”, o nosso amigo filósofo perde toda a “razão”.
Surge isto a propósito dos dois maiores clubes da Póvoa de Varzim e Vila do Conde pretenderem cada um deles construir o seu próprio estádio.
Só sentimentos explicam essa decisão, a razão nada tem a ver com o assunto. Senão vejamos:
· Póvoa e Vila do Conde fazem parte da mesma sub-região, dentro da área metropolitana do Porto;
· Custo de transporte para circular entre as cidades é praticamente nulo. Por exemplo, apesar de residir na Póvoa, estou mais perto do estádio do Rio Ave, do que o actual estádio do Varzim;
· Cultura popular e sistema de valores muito semelhantes;

Com as contas de custos a esmagar os planos de exploração dos dois clubes, uma forma de racionalizar e minimizar custos é certamente os dois emblemas usufruírem de um estádio único. Toda a gente concorda que a factura mensal de manutenção do estádio ficaria mais leve. O peso de substituir o relvado, sistemas de rega, limpeza do estádio, para os nossos clubes é esmagador. No Varzim, a relva já passou o prazo de validade há anos e anos. O estádio degrada-se a cada fim-de-semana que passa. O actual estádio, além de ser um sorvedouro de dinheiro, não consegue gerar nenhum tipo de receita relevante, muito menos para a sua manutenção.
Quando olhamos para a crescente globalização dos vários sectores de actividade a grande lição que tiramos é que as empresas tendem a focalizar-se no seu “core business”, eliminando a restante”gordura”. Parece-me que todos concordamos que a propriedade e manutenção de um estádio, não é o mais importante numa equipa profissional de futebol.
O “core” de um clube de futebol deverá ser na minha perspectiva proporcionar os melhores espectáculos, para ter maiores assistências e cobrar mais bilhetes ao melhor preço. Isso apenas se consegue com melhores equipas, e não com estádios ultra modernos e ultra caros, p.e., estádio de Faro/Loulé, Leiria, Aveiro, etc. O futebol é um espectáculo inigualável, difícil de copiar (não há dois jogos iguais), e é essa diferença que representa o valor acrescentado na indústria do futebol.
A função de uma equipa profissional de futebol, não é vender ou comprar terrenos, espero bem que o Varzim não se transforme numa imobiliária. Quero é o Varzim a jogar futebol, a levantar assistências, a fazer do Domingo o dia mais importante da semana!

Na minha opinião, o estádio devia ser de propriedade neutra, ou seja, a solução de um estádio conjunto teria de passar por um entendimento entre as duas autarquias.
Quem sabe o futebol, não fosse capaz de promover outras parcerias benéficas para todos nós que somos poveiros e vila-condenses.

2 comentários:

Anónimo disse...

Eu não sei se vou ser um absurdo.
Mas quando eu comesei a frequentar as terras da beira mar e, em Vila do Conde.Falavasse que os poveiros tentaram levar o rio ave,note rio,para melhor servir o seus interses portuários,porto esse que deveria ter nascido no rio ave sim mas no seu leito natural.
Quando se construiu a A7 os poveiros faziam presão para que se dissesse qua a mesma nascia na póvoa.
O hospital,ainda nem se construiu, tambem já gerou polénica,deveria chamarsse Hospital viladoconde/povoadovarzim.
Mas fizeram uma reunião para mudar o nome povoadevarzim/viladoconde.
Sera que o novo estadio a fazersse,que eu duvido,chamarse-a estádio oceano atlântico ou vamos para as guerras de ficas tu na frente ou fico eu.
Meus amigos tenho 53 anos vivi parte da minha infancia entre povoa e vila do conde e acho que não pode haver essa união.Até para subrevivencia dos dois clubes,nem que seja na regional.
VIVA O RIO AVE

borges disse...

Concordo e subscrevo tudo aquilo que este anonimo disse!Quanto ao facto de abrir os portões e correndo o risco de me repetir pois ja opinei noutro blog sobre esta questão,sou completamente contra,pois deviamos era aproveitar que o RIO AVE esta em alta para vender uns bilhetes,embora a preços acessiveis.No entanto, nos jogos bons e importantes abrimos os portões,nos rascas pomos bilhetes a 10 euros...que grande contra-senso!Penso que quem gosta minimamente do nosso clube e estivesse interessado em assistir ao jogo, não se importaria de dar 4 ou 5 euros para apoiar o clube e assim limitariamos o numero de polacos no nosso estadio.RIO AVE es o MAIOR